25 maio 2010

O rico cinema português.

A ficção audiovisual no nosso país não costuma ser grande coisa porque quem a faz tem o estranho costume de subestimar o público. Tome-se como exemplo as personagens ricas: são sempre criaturas deslocadas da realidade com um mau gosto atroz e com carros que nunca são de gente rica na realidade. A sua interpretação é sempre de uma falsidade confrangedora e percebe-se que o actor não só nunca foi abastado de material como não estudou o suficiente.