26 novembro 2008

A Pipa papou papaia.

- Hoje, os miúdos já não aprendem o alfabeto como nós aprendemos.

- Pois não. A professora dá as letras conforme um programa que, supostamente, facilita a aprendizagem.

- Não me admirava que um destes dias começassem a aprender em qwerty.

24 novembro 2008

Fake Empire.



Marc Jacobs, festa em Dezembro de 2007, Rainbow Room do Rockefeller Center, Nova Iorque. A festa deste ano não se realiza por contenção de custos da marca.

Ao contrario de crises anteriores, esta está a atingir as marcas de luxo. Cortes nos investimentos publicitários estão a arrastar as publicações de moda para onde já estão os jornais. O mercado e os ricos estão, de mãos dadas, a mudar a feira de vaidades.

As publicações e os jornalistas da especialidade que venham a Portugal: há por cá uma minoria especializada, que domina o mercado e a feira.

Para ler mais sobre o tema.

Fotografia: New York Times

19 novembro 2008

O Porto.



Europort, Roterdão.

Sem aprofundar muito, sou a favor da manutenção do porto de Lisboa tal como está, ou do aumento e incentivo ao seu movimento comercial.

Sou, portanto, contra a disseminação de ignorância sob a forma de explanadas de gosto duvidoso ou apartamentos encavalitados.

Concluindo, não respeito pessoas que discutem assuntos baseados em opiniões primárias ou que se resumem a conjecturas apenas de ordem estética. Os portos são uma parte grande da vida das cidades. À sua volta gera-se trabalho e prolifera aquilo que de melhor se pode esperar numa cidade: a diversidade económica e cultural.

O certo está em Roterdão e Singapura, por exemplo.

O errado está em Sines e Setúbal, não em Lisboa.

05 novembro 2008

A dança.



Muito bom. Através deste amigo.

Admirável Presidente novo.



Para mim, foi algo comovente ouvir o discurso de Barak Obama. Acho importante esta vitória e, ao contrário de algumas opiniões, penso que o novo homem mais poderoso do mundo pode mudar algumas coisas.

Contudo, questiono-me acerca de que conspirações e influências se estão já a movimentar na sua direcção. Entre muitas ideias, penso que este não deverá ser assassinado. Não é que não haja gente com essa vontade, só que isso já foi feito e desta vez não teria a mesma graça.

03 novembro 2008

Nem sempre o que é nacional é bom.



Uma fotografia publicitária do suiço Stefan Minder para ilustrar conjecturas possíveis sobre a primeira nacionalização de um banco na nova era.

Parabéns aos mugidores do BPN que, provavelmente, não serão responsabilizados, quanto mais presos.