31 julho 2008

As pessoas, depois de terem a barriga cheia, querem sonhar.

Todos percebemos que o mundo ocidental, e só esse, está a atravessar uma crise, e que as potências emergentes como a China e a Índia estão a prosperar. A pergunta O que vai ser dos Estado Unidos da América e da Europa? surge naturalmente.

Num exercício especulativo atrevo-me a dizer que não vai ser nada e que, para a população em geral, tudo vai continuar mais ou menos como até aqui.

Mesmo que amanhã a engenharia chinesa consiga produzir automóveis como os BMW alemães a um décimo do preço, nada mudará realmente e os alemães continuarão a ter o seu lugar no mercado, nomeadamente no das tais potências em ascensão.

Os imponderáveis comportamentais, além de fazerem parte da economia, são profícuos nos consumidores e nos mercados. A história revela-nos que poucas vezes a escolha acertada para a compra de determinado produto resulta no seu êxito esmagador. Ao contrário de antigamente, hoje os consumidores são quem mais ordena em todas as áreas de consumo.

A questão fundamental, após a fragmentação da verdade capitalista, está na emoção e na paixão dos consumidores. E são estes dois factores que ditam fenómenos como o sucesso do iPod da Apple ainda que este não seja o melhor leitor de música digital. Quem diz isto, diz o som de um motor V12 da Ferrari ou o tique-taque de um relógio Omega.

29 julho 2008

Raios.



Batman, 2008.


Zeus, 800 A.C. (mais coisa, menos coisa)


Ambos são adorados, responsáveis por justiça divina, com legiões de seguidores e poderosos, muito poderosos. Com representações artísticas de várias ordens, dá vontade de rir de quem lhes demonstre um respeito exacerbado.

Isto de tentar repor a ordem e fazer vingar o bem sobre o mal é uma constante histórica.

Acho perfeitamente natural que, daqui por uns séculos, Zeus e Batman sejam colocados num mesmo capítulo de uma enciclopédia da altura.

27 julho 2008

Por 1 Euro e 40 cêntimos,

comprei o Diário de Notícias de ontem. Com uma entrevista a Pacheco Pereira ao longo de quatro páginas e oferta do livro A Metamorfose de Franz Kafka.

Este negócio pode caracterizar-se por um valor efectivo muito inferior ao valor real, a ponto de quase ter sentido vergonha por estar a pagar por ele o custo de 8 cigarros.

Let me tell you the facts of Life IV:

Há já algum tempo que os discos são uma coisa gratuita.

23 julho 2008

Hugo, o Boss.



Hugo Chavez, no final da sua visita à Rússia, mostrou-se disponível para receber bases militares deste país na Venezuela.

No meio de uma regularidade diária enfadonha, ideias frescas e revolucionárias são sempre bem-vindas. Eu, começo a simpatizar com este rapaz que gosta de agitar as hostes. Além do mais, a ideia do escudo anti-mísseis americano na Polónia merecia uma resposta à altura.

21 julho 2008

Na hierarquia da sapiência,

Prefiro uma conversa com um campino ou um coveiro do que com alguém cujo doutoramento e a vida se possam considerar comuns.

As vantagens de ter crescido numa pequena vila são muitas em pequenas coisas.

18 julho 2008

Ganda Barak!



Danziger para o New York Times.

14 julho 2008

Afagar o ego.

Lisboa vista pelo New York Times.

Silly Season.



Só um mau gosto endémico justifica a utilização de mangas de cava por parte dos homens.

Para que conste, aos homens pede-se que sejam normais.

E a fotografia acima descreve na perfeição as condicionantes masculinas para se vestir um fato branco. Sendo que este é um capítulo que arranca só para leitores com mais de 1 metro e setenta e cinco.