29 maio 2008

Sem mais rodriguinhos.

Ouvi, de raspão, no noticiário da SIC, um debate sobre blogues e os seus defeitos, nomeadamente o anonimato de alguns autores que caluniam terceiros impunemente.

Além da troca de argumentos, mais ou menos relevantes ou imbecis, Rodrigo Guedes de Carvalho não manteve uma posição imparcial, logo demonstrou incompetência para o que estava a fazer.

Talvez o Rodrigo sofra do mesmo temor que muitos jornalistas padecem actualmente: a Internet, e a blogoesfera em particular, estão a cozinhar o mau jornalismo em lume médio.

27 maio 2008

Insuspeito.

A honestidade é rara porque, na verdade, ninguém gosta muito dela. Ser honesto provoca a desconfiança e a intolerância. Além do mais, dificulta as situações de ruptura: é muito mais fácil insultar um mentiroso do que engolir a verdade.

A honestidade espalha os argumentos, daí não ser praticada em política.

Por vezes, ser honesto compensa na paródia que é ver alguém completamente desarmado.

26 maio 2008

Só há um modelo admissível de fundamentalismo: o que luta contra todas as formas de fundamentalismo.



Eu, por exemplo, tenho dificuldade em dialogar com uma pessoa que só ingere produtos de origem vegetal e que, à sua maneira, recusa primariamente qualquer alimento de origem animal.

Para mim, o sentido de um vegetariano fundamentalista é o mesmo de um carnívoro inveterado.

Obituário.




A morte de Alfredo Saramago deixa-nos a todos mais pobres. Até aos vegetarianos, apesar destes não serem grandes merecedores da sua companhia ou sapiência.

19 maio 2008

A resvalar para o tiro no pé.

O anúncio com os portugueses a empurrar o autocarro da selecção patrocinado pela Galp só pode ser uma paródia aos constantes aumentos do preço dos combustíveis. No fundo é uma daquelas verdades que só podem ser ditas disfarçadas de piada.

15 maio 2008

Freud, explica lá isto:

Cada vez que sei de um adolescente que morreu, questiono-me se seria virgem.

Não é por nada que saiba ou reconheça em mim à partida, mas a coisa deixa-me a pensar, e tenho a certeza que terá uma justificação, quiçá complexa, ajustadíssima.

12 maio 2008

Nem na China se safavam.

Que tal fazer um jogo pueril de frases onde obrigatoriamente tenham que constar as palavras jornalistas, portugueses e catástrofe?

Para os portugueses, quer dizer, para os jornalistas das nossas televisões,

O futebol foi mais importante que o sismo e os mortos do terramoto na China.

Não os respeito.

09 maio 2008

Grande cabeça.



A falta de tempo para actualizar o blogue serviu para, entre outras coisas, descobrir esta versão caseira de All I Need dos Radiohead.

Era para usar o adjectivo fabulosa antes da palavra versão, mas algumas regras de escrita e um bom senso, que não sei onde fui buscar, impediram-me.

06 maio 2008

Parece que o estudo sobre comportamentos sexuais divulgado hoje não pode ser levado muito a sério.

Como exemplo, segundo o mesmo, apenas 0,7% dos Portugueses são homossexuais.

Em termos de informação credível sobre o assunto, Portugal no ano de 2008 ainda está muito longe dos E.U.A. de 1948.