29 dezembro 2008

Philippinos.


Fotografia: Joan Tomás - El País

Nestes tempos, em que a verdade de hoje é a mentira de amanhã, podemos colocar os olhos em quem não se preparou para nada e que, por essa razão, foi bem sucedido em muitas tarefas.

A formação e o estudo podem muitas vezes ser entraves ou freios ao desenvolvimento. Ter que romper varias barreiras pré-estabelecidas para criar algo de novo é mais cansativo do que não ter essas barreiras e chegar à inovação pela porta das traseiras.

Philippe Stark é arquitecto, produtor de vegetais ecológicos, web designer, designer gráfico, designer de mobiliário, director artístico de várias instituições, consultor da NASA, produtor de azeite, desenhador de motas e candeeiros, entre muitas outras actividades. Segundo contas, que não são dele, cerca de 300.000 mil funcionários vivem às custas do seu talento e engenho.

A coisa mais doce na sua biografia é o facto de não ter nenhum curso superior e apenas precisar, segundo palavras do próprio, da cabeça, de um caderno e de um lápis para criar coisas que lhe interessam.

23 dezembro 2008

Eu gosto muito do Natal.

E, apesar do deste ano trazer algumas novidades pessoais, vou vivê-lo como de costume: com as pessoas que mais gosto.

Parafraseando, um bom Natal a quem o merece.

15 dezembro 2008

Andar à burla.



Clicar na imagem para ampliar.

Era esta a mensagem, ou anedota, ou prenúncio de desespero para grandes investidores, que estava hoje de manhã no site da Bernard L. Madoff Investment Securities LLC.

Serão os contribuintes e os dinheiros estatais a fazer face a mais esta brincadeira?

26 novembro 2008

A Pipa papou papaia.

- Hoje, os miúdos já não aprendem o alfabeto como nós aprendemos.

- Pois não. A professora dá as letras conforme um programa que, supostamente, facilita a aprendizagem.

- Não me admirava que um destes dias começassem a aprender em qwerty.

24 novembro 2008

Fake Empire.



Marc Jacobs, festa em Dezembro de 2007, Rainbow Room do Rockefeller Center, Nova Iorque. A festa deste ano não se realiza por contenção de custos da marca.

Ao contrario de crises anteriores, esta está a atingir as marcas de luxo. Cortes nos investimentos publicitários estão a arrastar as publicações de moda para onde já estão os jornais. O mercado e os ricos estão, de mãos dadas, a mudar a feira de vaidades.

As publicações e os jornalistas da especialidade que venham a Portugal: há por cá uma minoria especializada, que domina o mercado e a feira.

Para ler mais sobre o tema.

Fotografia: New York Times

19 novembro 2008

O Porto.



Europort, Roterdão.

Sem aprofundar muito, sou a favor da manutenção do porto de Lisboa tal como está, ou do aumento e incentivo ao seu movimento comercial.

Sou, portanto, contra a disseminação de ignorância sob a forma de explanadas de gosto duvidoso ou apartamentos encavalitados.

Concluindo, não respeito pessoas que discutem assuntos baseados em opiniões primárias ou que se resumem a conjecturas apenas de ordem estética. Os portos são uma parte grande da vida das cidades. À sua volta gera-se trabalho e prolifera aquilo que de melhor se pode esperar numa cidade: a diversidade económica e cultural.

O certo está em Roterdão e Singapura, por exemplo.

O errado está em Sines e Setúbal, não em Lisboa.

05 novembro 2008

A dança.



Muito bom. Através deste amigo.

Admirável Presidente novo.



Para mim, foi algo comovente ouvir o discurso de Barak Obama. Acho importante esta vitória e, ao contrário de algumas opiniões, penso que o novo homem mais poderoso do mundo pode mudar algumas coisas.

Contudo, questiono-me acerca de que conspirações e influências se estão já a movimentar na sua direcção. Entre muitas ideias, penso que este não deverá ser assassinado. Não é que não haja gente com essa vontade, só que isso já foi feito e desta vez não teria a mesma graça.

03 novembro 2008

Nem sempre o que é nacional é bom.



Uma fotografia publicitária do suiço Stefan Minder para ilustrar conjecturas possíveis sobre a primeira nacionalização de um banco na nova era.

Parabéns aos mugidores do BPN que, provavelmente, não serão responsabilizados, quanto mais presos.

31 outubro 2008

Bom fim-de-semana.

17 outubro 2008

Canalizando interesses.



A minha ausência por aqui quase que me obriga a dizer que sou um ex-corrector afamado que tem andado a fugir a Carlos Cruzes enfurecidos nestes últimos dias. Mas não. Apesar de ter uma profissão inofensiva, tal como quem vive de torrar dinheiro alheio, não foi a crise monetária que me ocupou.

Adiante.

Ponhamos os olhos em Plumber Joe, o mais recente, e plenamente justificado, herói mundial.

06 outubro 2008

As poupanças dos portugueses estão a salvo.

E as dívidas? Epá isso é que era, as dívidas não estarem a salvo é que eram boas notícias. Tudo com a casinha paga, assim de repente, até nem parece mal.

Também nunca respeitei o sistema vigente: os bancos e os grupos económicos garantem, à partida, que todo o dinheiro ganho pela população servirá para pagar dívidas durante décadas a fio. Mas esta é uma temática tão profunda que nem me apetece começar a sustentar o que digo – fiquemo-nos assim pelo facto simples de que cada português deve à banca toda a sua vida de vencimentos sem margem de manobra.

Como dizia o Sr. Agostinho da Silva: lá por viver nesta sociedade, não quer dizer que me identifique com ela.

17 setembro 2008

Joy, joy, joy!

Image and video hosting by TinyPic

A AIG foi nacionalizada. Mas os americanos nunca utilizarão este verbo.

16 setembro 2008

Num passo arriscadíssimo, e tendo como pano de fundo os meus conhecimentos limitados de literatura,

Poderá dizer-se que Ruan Julfo foi, pelo menos, tão importante na criação do realismo fantástico como Alejo Carpentier?

11 setembro 2008

Scissor Sisters.

A série The “L” Word que passa na RTP2 não é boa. Conta histórias de várias mulheres com um ponto em comum: são lésbicas. Aliás, é mesmo só isso: diálogos de lésbicas, desavenças de lésbicas, amores, paixões, quotidianos e tudo o que se possa imaginar com o tema homossexualidade feminina como pano de fundo.

Senhores! E a dificuldade que tenho em perceber o interesse de episódios deste tipo? A orientação sexual é coisa que sustente, só por si, um argumento de ficção? Não é suposto, isto das pessoas que se sentem atraídas por outras do mesmo sexo, ser uma coisa normal e trivial?

Se o argumento de The “L” Word fosse bom, poderíamos substituir os casais homossexuais por heterossexuais e ver a coisa com o mesmo interesse, certo? Errado.

Desconfio que esta série serve dois objectivos:

1º As pessoas ditas normais gostam de observar essa coisa estranha que são os homossexuais. E se for numa base mascarada de normalidade ainda tem mais graça.

2º As pessoas homossexuais gostam de ver que já existe abertura social para, imagine-se, haver uma série cujo principal tema é as relações e respectivas tropelias entre pessoas do mesmo sexo.

Se calhar esta série não serve para nada.

10 setembro 2008

Feira popular.

A pergunta não é:
Mas como é que alguém entra numa esquadra com uma arma de fogo?

A pergunta é:
Mas como é que alguém entra numa esquadra, dispara três tiros na cara doutrem e não é morta pelos policias que ali se encontravam de serviço?

A resposta é:
Não sei.

Não sei se é pelas nossas forças policiais terem, ainda, um fundo de civilização e humanidade ou se por terem medo de todas as represálias que implicaria um deles sacar da arma e acabar com aquilo de forma violenta. Contudo, a atitude foi a correcta e este triste episódio acabou da forma que devia.

Natureza viva.

Obrigado pela referência a esta casa.

09 setembro 2008

Prokofiev, intocável.



Numa conversa com este amigo, vem à baila a ruindade de Josef Estaline. Este, mesmo ao cair do pano, ainda reservou uma última tropelia: morreu no dia 5 de Março de 1953, uma hora depois do compositor Sergei Sergeievich Prokofiev.

Desta forma, todos os músicos e flores de Moscovo foram reservados e utilizados no funeral de Estaline, tendo de se recorrer a umas quantas flores de papel e a gravações de algumas obras para uma última homenagem ao compositor.

Diz-se, em tom irónico, que Prokofiev foi a última vítima de Estaline. O seu corpo esteve impossibilitado de sair para os serviços fúnebres durante 3 dias, devido à multidão que se despedia do senhor de bigode frondoso.

08 setembro 2008

Há muita gente que sabe menos que um miúdo de 6 anos, ou mais uma das faces da descredibilização evolutiva.

Afonso, em frente a uma montra de brinquedos:

- Pai, que barquinho é este, tão giro, com tantos bichos lá dentro?

- É a arca de Noé. Dizem que quando veio o dilúvio, muita água que cobriu toda a terra, o senhor Noé fez um barco de madeira, pôs lá dentro um casal de cada animal existente e que dessa forma salvou todas as espécies.

- Isso vê-se mesmo que é mentira.

- Então?

- Mesmo que ele conseguisse apanhar os bichos todos, onde é que ele levava a comida suficiente para tantos?

04 setembro 2008

Numa paródia nietzschiana, poderá dizer-se que:

É preciso um milagre para acabar com as religiões.

02 setembro 2008

As férias, a mim, fazem bem.

Para quem pensa que este blogue se entregou em definitivo à superficialidade da imagem, devo dizer: a literatura e um belo texto sobre Prokofiev estão na calha.

Enquanto isso, fica uma das mais belas frases ouvidas durante o descanso no fabuloso programa A Liga dos Últimos:

Este árbitro é mesmo uma coisa fora do anormal.

Aposto que a meia luz foi inventada por uma mulher.

Numa revisita aqui à sala de chá e tendo como pano de fundo o post anterior, reparo mais uma vez na seguinte evidência: o corpo feminino é muito mais bonito que o corpo masculino.

31 agosto 2008

Rentrée a pés juntos.



David Beckham



Carla Bruni

Com estilo e bom gosto. Eis a lista internacional das pessoas mais bem vestidas 2008.

24 agosto 2008

De férias até Setembro.

Entre outras coisas, vou entreter-me com a Vanity Fair do próximo mês, que traz a gente mais bem vestida deste planeta.

21 agosto 2008

Nelson Évora.



Com Naíde Gomes e Vanessa Fernandes, estes três atletas marcam a diferença e deixam a chama da esperança acesa. Muitos parabéns ao campeão olímpico.

P.S. Enquanto esperava pelo desfecho da prova de triplo salto, vi a Jamaica a ganhar mais uma medalha de ouro.

Fotografia: Thomas Kienzle/AP

Portugal nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008.

Em geral, a participação portuguesa nesta prova é uma vergonha porque não tem desculpas. O tamanho do país, o número de habitantes e as condições monetárias não são desculpa – ponto final.

A prova do que afirmo chama-se Jamaica. Este país é muito mais pequeno, pobre e tem cerca de 2.804.332 habitantes, segundo uma estimativa de Julho de 2008. Ainda assim já ganhou quatro medalhas de ouro e três de prata nestes jogos.

Caso se queira extrapolar a comparação para participações anteriores, o resultado é ainda mais desastroso para nós, país europeu, rico e civilizado:

Jamaica: 7 medalhas de ouro, 22 de prata e 15 de bronze.
Portugal: 3 medalhas de ouro, 6 de prata e 11 de bronze.

E agora venham dizer que o nosso looserismo endémico se deve ao facto dos outros serem pretos e, portanto, mais fortes fisicamente.

12 agosto 2008

Very Stylish girl.



A cubana Milagros Crespo dita às suas companheiras os segredos que podem levar a sua selecção a uma vitória sobre a Holanda nestes Jogos Olímpicos.

Muito para além do significado das mãos, está a simbologia das unhas douradas.
Fotografia: AFR / El País.

11 agosto 2008

Friends in hole places.

Ter um amigo polícia, dos primeiros a chegar aos meliantes abatidos no assalto ao BES de Campolide, é bom. Primeiro porque se fica a saber a verdade, para além da que os nossos pobres jornalistas passam. Segundo, porque se precisasse de dinheiro podia vender todos os pormenores ao 24 Horas ou ao Correio da Manhã.

Por exemplo, eles que se ponham a adivinhar quantas caixas de compressas foram necessárias para preencher o buraco de saída da bala que passou pela cabeça do primeiro assaltante.

05 agosto 2008

Jobs for the girls.

31 julho 2008

As pessoas, depois de terem a barriga cheia, querem sonhar.

Todos percebemos que o mundo ocidental, e só esse, está a atravessar uma crise, e que as potências emergentes como a China e a Índia estão a prosperar. A pergunta O que vai ser dos Estado Unidos da América e da Europa? surge naturalmente.

Num exercício especulativo atrevo-me a dizer que não vai ser nada e que, para a população em geral, tudo vai continuar mais ou menos como até aqui.

Mesmo que amanhã a engenharia chinesa consiga produzir automóveis como os BMW alemães a um décimo do preço, nada mudará realmente e os alemães continuarão a ter o seu lugar no mercado, nomeadamente no das tais potências em ascensão.

Os imponderáveis comportamentais, além de fazerem parte da economia, são profícuos nos consumidores e nos mercados. A história revela-nos que poucas vezes a escolha acertada para a compra de determinado produto resulta no seu êxito esmagador. Ao contrário de antigamente, hoje os consumidores são quem mais ordena em todas as áreas de consumo.

A questão fundamental, após a fragmentação da verdade capitalista, está na emoção e na paixão dos consumidores. E são estes dois factores que ditam fenómenos como o sucesso do iPod da Apple ainda que este não seja o melhor leitor de música digital. Quem diz isto, diz o som de um motor V12 da Ferrari ou o tique-taque de um relógio Omega.

29 julho 2008

Raios.



Batman, 2008.


Zeus, 800 A.C. (mais coisa, menos coisa)


Ambos são adorados, responsáveis por justiça divina, com legiões de seguidores e poderosos, muito poderosos. Com representações artísticas de várias ordens, dá vontade de rir de quem lhes demonstre um respeito exacerbado.

Isto de tentar repor a ordem e fazer vingar o bem sobre o mal é uma constante histórica.

Acho perfeitamente natural que, daqui por uns séculos, Zeus e Batman sejam colocados num mesmo capítulo de uma enciclopédia da altura.

27 julho 2008

Por 1 Euro e 40 cêntimos,

comprei o Diário de Notícias de ontem. Com uma entrevista a Pacheco Pereira ao longo de quatro páginas e oferta do livro A Metamorfose de Franz Kafka.

Este negócio pode caracterizar-se por um valor efectivo muito inferior ao valor real, a ponto de quase ter sentido vergonha por estar a pagar por ele o custo de 8 cigarros.

Let me tell you the facts of Life IV:

Há já algum tempo que os discos são uma coisa gratuita.

23 julho 2008

Hugo, o Boss.



Hugo Chavez, no final da sua visita à Rússia, mostrou-se disponível para receber bases militares deste país na Venezuela.

No meio de uma regularidade diária enfadonha, ideias frescas e revolucionárias são sempre bem-vindas. Eu, começo a simpatizar com este rapaz que gosta de agitar as hostes. Além do mais, a ideia do escudo anti-mísseis americano na Polónia merecia uma resposta à altura.

21 julho 2008

Na hierarquia da sapiência,

Prefiro uma conversa com um campino ou um coveiro do que com alguém cujo doutoramento e a vida se possam considerar comuns.

As vantagens de ter crescido numa pequena vila são muitas em pequenas coisas.

18 julho 2008

Ganda Barak!



Danziger para o New York Times.

14 julho 2008

Afagar o ego.

Lisboa vista pelo New York Times.

Silly Season.



Só um mau gosto endémico justifica a utilização de mangas de cava por parte dos homens.

Para que conste, aos homens pede-se que sejam normais.

E a fotografia acima descreve na perfeição as condicionantes masculinas para se vestir um fato branco. Sendo que este é um capítulo que arranca só para leitores com mais de 1 metro e setenta e cinco.

28 junho 2008

Ólinharlim! Ólinharlim!

De férias até dia 13, nada mais me resta do que apresentar-vos um blogue que tem tudo para se tornar um caso sério.

25 junho 2008

O Verão, a gastronomia e os grelhados.



Rock the Lobster – B-52’s

Todos os traumas visuais da adolescência reúnem-se aqui. Brindemos com tudo, até com Mateus Rosé se não houver mais nada.

23 junho 2008

Ao dia de hoje (expressão infeliz, em consonância com a temática subcitada).

O Euro deixou um vazio em Portugal. Grande, como os outros que já cá estavam, mas menos grave.

Agora é ver toda a gente a torcer pela Turquia numa corrida de apoio aos fracos. Este país tem queda para não combinar com o romantismo.

18 junho 2008

Animação invariável.

A ideia de campismo dá-me senhoras de certa idade a correr com alguidares de louça para lavar.

17 junho 2008

Monstruoso.

Foi um dos adjectivos que o El Pais usou para descrever a arte que se viu no Domingo na monumental de Madrid. Tudo porque o matador José Tomás entrou na arena decidido a dar um espectáculo sobrenatural, ainda que à custa da sua própria vida.

Apesar dos touros não serem grande coisa, José Tomás dispôs-se a conquistar o que pretendia e conseguiu: cortou três orelhas e levou três cornadas. Está em estado grave no hospital mas o seu nome ficou definitivamente inscrito na história con una heroicidad sobrehumana y con un insuperable desprecio a la vida.

Eu não gosto de tourada e nunca vi nenhuma, mas sou um acérrimo defensor da sua existência. Gosto de fotografia, do El Pais, mas acima de tudo, gosto de ver que ainda existem Homens.

E admiro, sem preconceitos, um país que se assume sem rodeios não dando qualquer confiança à hipocrisia de muitos defensores dos animais.

13 junho 2008

Quando a falta de critério é o critério.

Vi muita gente indignada, nomeadamente na blogoesfera, com o facto da polícia não ter carregado nos camionistas que protestaram. Para dizer a verdade, não me lembro de ver tamanha unanimidade a favor da aplicação de porrada à bruta.

Estou a ver que da próxima vez que estudantes ou operários importunarem a ordem pública, e forem enfardados como gente grande, todos irão aplaudir.

Ou será que não? Os exemplos que dei têm uma coisa em comum: não são proprietários de nada que se relacione com o seu modo de ganhar a vida, ao contrário dos camionistas que alguns até eram donos do seu camião. Querem ver que o critério, afinal, é que a polícia de choque só pode malhar à-vontade em grupos de manifestantes onde hajam alguns patrões ou empresários em nome individual?

O problema da esquerda foi sempre a defesa da igualdade e da liberdade, sem nunca perceber que são coisas opostas.

12 junho 2008

Para festejar mais um aumento dos combustíveis esta noite:



Monster Truck Driver - T. Raumschmiere

Dá a sensação que a Galp estava à espera da desmobilização dos camionistas para aplicar mais uma palmadinha.

Fosse eu o maradona e acabava este post com um vão gozar com o caralho.

11 junho 2008

José Sócrates e o filme da paralisação dos camionistas:



Let's look at the trailer.

09 junho 2008

Sentimentos mistos.

Ao ver os treinos da selecção nacional de futebol assistidos por mais de 12.000 pessoas, ocorrem-me dois pensamentos: por um lado o orgulho de ser português e pertencer a um povo empenhado, por outro, uma espécie de vergonha por fazer parte de um país cujos cidadãos depositam todas as suas esperanças e euforias no futebol.

06 junho 2008

Oração.

Após assistir a um seminário que durou todo o dia, posso concluir que a idade muda mesmo as pessoas. Vi e ouvi doze apresentações em várias línguas, retive quase tudo o que me interessava.

A novidade é que dantes seria incapaz de resistir, concentrado, a um bombardeamento de informação desta escala. Dei comigo a pensar que estou a ficar velho – só os velhos são capazes de se interessar, digerir e aplicar dados que não matam ninguém.

04 junho 2008

Estória ou História?



Pela primeira vez tenho dúvidas em relação a uma utilização do primeiro termo, visto que estória é uma tradução selvagem do inglês, quer dizer, do americano, quer dizer do afro-americano.

02 junho 2008

Os OVNIS estão de volta.

E prestes a entrar na moda. E eu que acredito nestas coisas, ou em 2% delas, até me regalo.

O fim de uma silly season, (enquanto não chega a do tempo quente).

A eleição de Manuela Ferreira Leite para líder do PSD é um descanso.

Talvez o Sr. Sócrates, quanto a mim o melhor primeiro ministro que poderíamos ter nesta altura, não seja da mesma opinião.

29 maio 2008

Sem mais rodriguinhos.

Ouvi, de raspão, no noticiário da SIC, um debate sobre blogues e os seus defeitos, nomeadamente o anonimato de alguns autores que caluniam terceiros impunemente.

Além da troca de argumentos, mais ou menos relevantes ou imbecis, Rodrigo Guedes de Carvalho não manteve uma posição imparcial, logo demonstrou incompetência para o que estava a fazer.

Talvez o Rodrigo sofra do mesmo temor que muitos jornalistas padecem actualmente: a Internet, e a blogoesfera em particular, estão a cozinhar o mau jornalismo em lume médio.

27 maio 2008

Insuspeito.

A honestidade é rara porque, na verdade, ninguém gosta muito dela. Ser honesto provoca a desconfiança e a intolerância. Além do mais, dificulta as situações de ruptura: é muito mais fácil insultar um mentiroso do que engolir a verdade.

A honestidade espalha os argumentos, daí não ser praticada em política.

Por vezes, ser honesto compensa na paródia que é ver alguém completamente desarmado.

26 maio 2008

Só há um modelo admissível de fundamentalismo: o que luta contra todas as formas de fundamentalismo.



Eu, por exemplo, tenho dificuldade em dialogar com uma pessoa que só ingere produtos de origem vegetal e que, à sua maneira, recusa primariamente qualquer alimento de origem animal.

Para mim, o sentido de um vegetariano fundamentalista é o mesmo de um carnívoro inveterado.

Obituário.




A morte de Alfredo Saramago deixa-nos a todos mais pobres. Até aos vegetarianos, apesar destes não serem grandes merecedores da sua companhia ou sapiência.

19 maio 2008

A resvalar para o tiro no pé.

O anúncio com os portugueses a empurrar o autocarro da selecção patrocinado pela Galp só pode ser uma paródia aos constantes aumentos do preço dos combustíveis. No fundo é uma daquelas verdades que só podem ser ditas disfarçadas de piada.

15 maio 2008

Freud, explica lá isto:

Cada vez que sei de um adolescente que morreu, questiono-me se seria virgem.

Não é por nada que saiba ou reconheça em mim à partida, mas a coisa deixa-me a pensar, e tenho a certeza que terá uma justificação, quiçá complexa, ajustadíssima.

12 maio 2008

Nem na China se safavam.

Que tal fazer um jogo pueril de frases onde obrigatoriamente tenham que constar as palavras jornalistas, portugueses e catástrofe?

Para os portugueses, quer dizer, para os jornalistas das nossas televisões,

O futebol foi mais importante que o sismo e os mortos do terramoto na China.

Não os respeito.

09 maio 2008

Grande cabeça.



A falta de tempo para actualizar o blogue serviu para, entre outras coisas, descobrir esta versão caseira de All I Need dos Radiohead.

Era para usar o adjectivo fabulosa antes da palavra versão, mas algumas regras de escrita e um bom senso, que não sei onde fui buscar, impediram-me.

06 maio 2008

Parece que o estudo sobre comportamentos sexuais divulgado hoje não pode ser levado muito a sério.

Como exemplo, segundo o mesmo, apenas 0,7% dos Portugueses são homossexuais.

Em termos de informação credível sobre o assunto, Portugal no ano de 2008 ainda está muito longe dos E.U.A. de 1948.

29 abril 2008

Há filmes publicitários bons, depois há aqueles que nos passam para outro nível.



Novinho em folha, com realização de Guy Ritchie.

24 abril 2008

A verdade direita não é a direita de verdade.



Agora sim, o PSD está a tornar-se numa coisa emocionante. Alguns dos candidatos sabem que esta é uma situação semelhante a um conjunto de escravos num navio negreiro a discutir qual salta primeiro borda fora.

20 abril 2008

Let me tell you the facts of Life III:

O festival Dias da música em Belém não foi bom. Muito aborrecido. Um escândalo o CCB cobrar 3 Euros por um bilhete que dava acesso a, praticamente, nada.

Let me tell you the facts of Life II:

Até agora, nenhum dos candidatos à liderança do PSD é bom.

16 abril 2008

Usar o seguinte grupo de letras – E-L-S-A-R-A-P-O-S-O – por esta ordem, neste post, é capaz de me tirar o sono.

A fabulosa entrevista a George Steiner que a Charlotte nos mostrou, deixou-me a pensar.

Qual a diferença entre uma entrevista a George Steiner e uma a Elsa Raposo?

Vivem ambas de slices of life e não me parece que se possam diferenciar pelo público a quem se destinam. As origens, a infância, a carreira ou os progenitores podem ser diferentes mas o objecto entrevista enquanto tal é igual: saber de uma vida alheia.

Assim, a bisbilhotice deve ser encarada como algo natural, que vive dentro de cada um. Falar dos outros é salutar, alivia e, acima de tudo, dá-nos referências, quer sejam de estupidez, quer de sapiência.

Meio a dormir.

Baseio-me na opinião de pessoas que respeito para discordar do acordo ortográfico.

11 abril 2008

Para meditar.




Buda morreu com uma intoxicação alimentar após uma refeição de costeletas de porco.

08 abril 2008

Portugal tem demasiados génios. Até se atropelam uns aos outros.

Todos com obra impar sem dinheiro nem preocupações técnicas ou virtuosismo. De improviso, que é assim que um génio faz: a inspiração aterra e a arte nasce.

Dois problemas:

- Quem espera a inspiração é porque não trabalha o suficiente.

- Em países onde se fazem as coisas como devem ser, dá-se outro nome às pessoas que desenvolvem a mediocridade.

Tive um bom professor que avisava: cuidado que o metropolitano está cheio de músicos talentosos.

03 abril 2008

As montanhas parem ratinhos cada vez mais bonitos e alguns de laboratório também.

Este tempo é certo para assimilar o fracasso dos meios de comunicação em determinadas situações e a manipulação descarada de informação. Basta lembrar o fenómeno gripe das aves e o lucro abismal que a farmacêutica Roche teve na venda do principal medicamento, supostamente, eficaz contra o H5N1.

Se quisermos ir mais atrás, lembrem-se do Bug do milénio e das fortunas que se gastaram e ganharam com tamanha mentira.

01 abril 2008

A batota é a irmã mais nova da mentira.

Os alemães não sabem, ainda hoje, lidar com o resultado da Segunda Guerra Mundial. O grupo de demónios que todos conhecemos condenou o país a anos e traumas que ainda se mexem bem.

São um povo que vive oprimido nas opiniões e condicionado por estrangeiros. Mandam pouco naquilo que é deles e as suas cabeças tiveram que se seccionar de uma forma, para mim, longe de ser pacífica.

Basta ler a História Natural da Destruição de W. G. Sebald para perceber as atrocidades que as forças aliadas fizeram a várias cidades germânicas no final da guerra. Os largos milhares de mortos alemães (desnecessários) desse tempo continuam e continuarão guardados no fundo do armário que existe na cabeça de cada conterrâneo. Não sei sequer se algum dia poderão puxar por esse tema, por causa do senhor do bigode proibido.

A autobiografia de Guntar Grass – Descascando a cebola - lembra-nos todas essas cicatrizes e só os simples ou hipócritas a usam para chamar Nazi ao escritor.

28 março 2008

Para quando?

- A falência, de vez, da Valentim de Carvalho.*

- A vingança da Byblos.**

- O regresso da Bomba aos tempos em que não abusava do Youtube.***

*Nunca simpatizei com esta empresa, muito por causa da arrogância e exploração do mercado discográfico durante anos. Os preços que praticava eram ridículos, apesar do catálogo ser interessante. Tão ridículos como as últimas tentativas de implementação.

**Nunca lá entrei e compro livros em Lisboa todas as semanas. Não sei se está melhor ou pior do que aquilo que li aquando da sua inauguração, mas tenho um amigo que trabalha no mesmo edifício e que me diz que aquilo continua a não ser grande coisa.

***Por favor Carla, vá lá.

25 março 2008

Amy do seu amigo, das drogas e da fita isoladora.



Amy Winehouse vai aparecer assim na revista Easy Living de Abril. Fotografada por Carolyn Djangoly para uma campanha de sensibilização do cancro da mama.

24 março 2008

Insegurança Social.

Tarde de Sábado na loja Nespresso do Chiado. Senha nº 409 quando o marcador ainda mostra uns módicos 332. Adivinha-se a espera e trombas de alguns bem vestidos. Era cãezinhos de colo escondidos, meninos a choramingar e meninas sentadas nos degraus de acesso.

E a Praça do Areeiro ali tão perto, sem a segurança que uma máquina de café exclusiva traz aos lares que pretendem um patamar social mais elevado.

E eu, onde é que estava com a cabeça quando me esqueci de encomendar o sabor intenso ou descafeinado longo pela internet?

Serviu para me manter de olhos bem abertos e nunca mais repetir a romaria dos que sofrem daquela doença com o nome de um alemão.

18 março 2008

Nunca é demais recordar a perfeição.



Nadia Comaneci em duas das sete pontuações máximas (10.0) que obteve nas olimpíadas de 1976 em Montréal, Canadá.

13 março 2008

Marmelada.



Reza a história que num embarque de mercadorias para a Inglaterra, um português enganou-se a embalar ou rotular uns caixotes e que, nos que tinham a designação Marmelada colocou doce de laranja.

Foi por volta de 1480 e, de forma involuntária, mudou a história. A partir daí, em Inglaterra dá-se o nome de Marmelade à compota de laranja (ou outros citrinos).

Esta é a prova cabal de que se pode mudar o mundo e nem é preciso querer. Pior, este engano legitimou uma das maiores crenças da adolescência.

Fotografia: Corbis.

11 março 2008

Ser populista.



Pito vem no dicionário como designação popular da púbis da mulher. Permitam-me lançar uma origem alternativa, (além do latim Pictu que vem no mesmo dicinário), para esta palavra que ouço desde pequeno, quase sempre inserida em comentários machistas de alguém mais velho:

Além da forma do delta ser considerada como um símbolo da púbis feminina em sociedades primitivas, tal como em algumas tribos da Amazónia, W. F. Jackson Knight confirma que Delfos, nas Euménides de Ésquilo, significa aparelho reprodutor feminino.

O Oráculo de Delfos era chamado de Pítia ou Pitonisa, a partir da serpente gigante Piton, morta por Apolo.

Desta amálgama vem, calhando, a palavra Pito.

07 março 2008

Ministério do Bom Gosto XXIV.



Maria USB - Memory stick.

Designer: Luis Eslava
Ano: 2006
Para comprar: http://www.abrproduccion.com/


De notar que a luz de transferência de dados situa-se no coração deste objecto de inveja.

05 março 2008

Mais uma viagem.



Keith Richards e Louis Vuitton.

03 março 2008

A capa da Vanity Fair de Março.



Com algumas fresh faces de Hollywood, vestidas por Galiano (Dior), despoletou em mim mais uma crise de reflexão sobre a falta de excelência em Portugal. Basta olhar para várias áreas profissionais daqui, para perceber que o espírito do desenrascanço está muito mais enraizado do que devia.

Dá a sensação que os portugueses não aprofundam nada ao ponto daquilo que se poderá considerar excelência ou perfeição. É verdade que podemos ter classificações tipo Médio+ ou Bom- em muitos ofícios mas isto não passa de algo airoso, nunca uma referência. Cavamos um pouco a crosta, chegamos a algo intermédio mas nunca vamos ao fundo, onde vive a raridade ou a admiração alheia.

A minha esperança reside em profissões que estão mais afastadas da minha realidade, tipo engenheiros, calceteiros, alfaiates ou serralheiros mecânicos. Sei que muito do que de melhor se faz no país está nas cidades secundárias e isso, apesar de ser mais ou menos reconfortante, não serve para desculpar a superficialidade.

Eu não faço um trabalho de excelência na minha área. O que me pedem não é a perfeição, é antes um compromisso entre qualidade, tempo disponível e requisitos do próprio cliente, já de si preocupado em ter algo Médio+ para os seus clientes habituados a este patamar.

Mas tenho esperança de um dia vir a fazer o que me sustenta de forma perfeita, quando não precisar disso para sobreviver, provavelmente.

29 fevereiro 2008

Respect.



Garcia Pereira vai ser o advogado de Paulo Portas no processo ao ministro Jaime Silva. O respeito que já tinha por Garcia sai reforçado pela surpresa deste anúncio. Afinal não é todos os dias que um defensor de causas de primeira necessidade se coloca ao lado de um político que compra as suas gravatas em Roma, na mesma casa que veste o Papa.

28 fevereiro 2008

Tradução selvagem – nível avançado.

Em português:
Três bruxas suecas transexuais observam os botões de três relógios "Swatch" suiços. Que bruxa sueca transexual observa que botão de que relógio Swatch suiço?

Em inglês:
Three Swedish switched witches watch three Swiss Swatch watch switches. Which Swedish switched witch watch which Swiss Swatch watch switch?

26 fevereiro 2008

O Sr. Meneses, a oposição e os circos na Bulgária.

Nalguns países do leste europeu, existe um espectáculo deplorável que consiste numa luta entre um urso e vários cães. É quase uma coisa circense, que tem lugar em mercados enlameados, onde apostas e gritarias desmedidas só pioram o que, por si só, é uma selvajaria.

Para aumentar a justiça da contenda, aos ursos são-lhes arrancadas as garras e os dentes, garantindo desta forma que os cães só sofrerão pela força bruta.

O Sr. Meneses faz-me lembrar o urso destes arraiais, mas sem a pena que os primeiros me merecem. Parece que é assim de nascença, abrutalhado mas perfeitamente inofensivo, acorrentado à sua condição e inteligência autárquicas.

25 fevereiro 2008

Andar de carro é melhor do que de transportes públicos,

se quisermos ouvir a 4ª sinfonia de Brahms. O convívio entre cabeleireiras de Odivelas e esta obra não é uma coisa saudável para os sentidos.

21 fevereiro 2008

A América da campanha.




Cindy MacCain, esposa do candidato republicano. Fotografia por Gerald Herbert/Associated Press, publicada no New York Times.

I believe.

A vitória de Barack Obama nas eleições para presidente dos Estados Unidos da América poderá servir, em última instância, para todos perceberem que um presidente negro e com ideias inovadoras é exactamente igual a todos os que já ocuparam este cargo.

19 fevereiro 2008

Luxemburgo.

Dos 500.000 habitantes do Luxemburgo, cerca de 60.000 são portugueses. Utilizando o mesmo principio de raciocínio que levou à auto-proclamação da independência do Kosovo, poderíamos já hoje declarar o Luxemburgo uma província portuguesa.

Desta vez os sérvios e os russos têm razão: o Kosovo não vai prosperar, (desculpem o eufemismo), tão depressa.

14 fevereiro 2008

Desculpem, mas não teço considerações acerca deste filme.



Este spot promocional para a MTV é de gosto questionável, e, apesar de não ser novo, lançaria muitas chamas se fosse feito por cá.

11 fevereiro 2008

Este,

é um senhor blogue.

‘If it is not the fashion now, it will be later because I wear it’*




Segundo o historiador Ron Rosenbaum, Charlie Chaplin usou o bigode tipo escova de dentes antes de Hitler. É, desta forma, esclarecida uma das grandes dúvidas do séc. XX: Chaplin em 1915, Hitler em 1919.

O homem mais engraçado e o mais assustador, juntos, num símbolo que mais ninguém teve a coragem de usar.

*Adolf Hitler

08 fevereiro 2008

Let me tell you the facts of life II.



Anúncio censurado, produzido para passar no intervalo do Superball deste ano.

Let me tell you the facts of life I.

Em Portugal não se deve inscrever um filho numa escola de música quando ainda é novo. Ao fazê-lo, corre-se o risco de este se interessar muito por um instrumento e aspirar a uma carreira musical.

Caso aconteça, os pais serão responsáveis por um adulto frustrado, que nunca terá grandes oportunidades para uma vida condigna. Será criado, por certo, um individuo culturalmente apto mas que irá comparar o preço dos diversos bacalhaus disponíveis num supermercado.

07 fevereiro 2008

Brilhantismo atroz.



Tal como o prometido, e com apenas um post palerma pelo meio, eis o maestro Carlos Kleiber a dirigir a Bavarian State Orchestra interpretando Unter Donner und Blitz de Johann Strauss II.

São três minutos com a perfeição estampada nos gestos e rosto do maestro. No final, e como é compreensível, a alegria espalha-se por todos os músicos que acompanham agora o delírio dos espectadores.

06 fevereiro 2008

O espectáculo do Carnaval na televisão:

A bunda larga põe a sua casa a mexer.

01 fevereiro 2008

Ministério do Bom Gosto XXIII (ctónico para principiantes*).



Keine Lust – Rammstein

*Para estes, esta obra-prima contém raparigas em bikini com lança-chamas e um Mercedes-Benz 600 LWB semelhante ao utilizado pelo Papa João Paulo II nos primeiros anos do seu pontificado.

P.S. Este ministério era para conter a obra Der Rosenkavalier de Richard Strauss (Gesamtaufnahme – versão completa) pelo fabuloso maestro Carlos Kleiber, mas o youtube ainda é uma ferramenta rudimentar.

30 janeiro 2008

Genuine leader, ou como diz o contrabandista analfabeto: pele de genuíno.



John Lee Hooker: Boom boom

Nesta actuação conseguimos perceber claramente a origem folclórica do blues e o futuro de muita música popular que se adivinhava na cabeça deste senhor.

A simplicidade e crueza de não saber uma letra do tamanho de um comboio serve para banhar estudiosos ou maestros.

Reparem nos pés.

28 janeiro 2008

Bastonada.

O novo Bastonário da Ordem dos Advogados fez umas acusações que se confundem com evidências: toda a gente conhece as histórias, sabe quem são os protagonistas e não duvida da corrupção descarada que as envolve.

Contudo, parece que estamos perante coisas espantosas ou revelações bombásticas, quando nada de novo foi retratado pelo senhor em causa.

O senhor Marinho Pinto apenas denuncia para os meios de comunicação factos que ninguém teve, até agora, coragem de assumir tão abertamente.

Quanto a mim está certo e não precisa de provar nada, ao contrario do que os políticos da nossa praça apregoam. Estes agem como se a falta de provas de terceiros absolvesse a sua própria corrupção.

25 janeiro 2008

Dificuldade em dizer o que sinto.




Por falta de tempo. A shrink ainda pode esperar.

22 janeiro 2008

Uma sinusóide hospedou-se em mim


O gosto tem estado na minha vida como uma curva sinusoidal:

Primeiro achava que os gostos de cada um não se discutiam (infância);

Depois fui percebendo que não só se podiam pôr em causa, como deviam (puberdade);

Após a jornada de evangelização veio a calmaria da compreensão paternal, e as explicações adaptadas às limitações de quem ainda estava como eu na infância (jovem adulto até à pouco tempo atrás);

Actualmente não inicio qualquer negociação de argumentos se o meu interlocutor não defender, pelo menos, a tese de que os gostos se educam.

Talvez no futuro a idade me traga um livrinho com senhas de desconto para eu distribuir enquanto explico, de forma rudimentar, a verdade dos valores da estética* na nossa sociedade.

*Interessam para aqui as ideias de Baumgarten desenvolvidas no séc. XVIII.

21 janeiro 2008

O Sr. Meneses do PSD,

continua a parecer um bonsai duma Sequóia Gigante (Sequoiadendron giganteum).

17 janeiro 2008

Wilhelm Scream.



Um tributo de gritar por mais.

Este é o nome do grito mais famoso do cinema. É um dos maiores clichés da 7ª arte, e o maior de todos no que a sonorização diz respeito. Aparece em inúmeros filmes e já todos o ouvimos, nalguns casos repetido na mesma história.

Nasceu na rodagem de Distant Drums em 1951 através do actor Sheb Wooley, sabe Deus (e quem viu o filme) em que circunstâncias.

15 janeiro 2008

Posso ou não posso?



Jay-Z, Linkin Park, barcos automóvel com 2000 cavalos, Gong Li, armas, strippers, estofos em cabedal, palmeiras, droga e BMW M6 branco.

Prometo que amanhã falo de Goethe ou Juan Rulfo.

14 janeiro 2008

Hugo, o Boss.



A relação entre o presidente da Venezuela Hugo Chávez com a modelo Naomi Campbell, é um sinal do que pode estar reservado a qualquer homem.

Depois de Salman Rushdie e a sua mulher Padma Lakshmi, do romance ficcional entre Scarlett Johansson e Bill Murray em Lost in Translation ou Sarcozi e Carla Bruni, esta é uma confirmação de esperança para o futuro, independentemente da idade ou barriga.

10 janeiro 2008

Ota vez.

Eu sou de Ota, logo sou otário. Como se viu hoje, o deserto é no outro lado, mas os camelos estão todos aqui.

Ouvido num dos telejornais das oito. Há que manter a boa disposição.

Afinal enganei-me.

O novo aeroporto internacional de Lisboa vai ser no deserto onde nem uma estrada passa. Ficará à mercê de uma cheia ou de dois buzinões, (caso a nova passagem sobre o Tejo avance mesmo), como aquele que há uns anos privou milhares de pessoas de passar a ponte 25 de Abril.

Os portugueses, mais uma vez, terão o que merecem e os empresários, que pagaram um dos estudos da discórdia, o dinheiro que nem sonharam.

O governo está nas nuvens. Mais vale uma reeleição na mão e muitas decisões acertadas a voar.

09 janeiro 2008

Era educá-los a todos!

Sou profundamente democrata e favorável à realização de consultas de opinião, entre elas, o referendo. Contudo, sou contra uma consulta popular sobre o Tratado de Lisboa pelas razões óbvias e sobejamente conhecidas até por quem diz que o defende.

As pessoas que pedem um referendo, quanto a mim demagogas e cínicas (caso saibam do que estão a falar e não sejam apenas excursionistas daqueles que o partido comunista convida para vir passear até São Bento), buscam lenha nos sítios e alturas erradas para nos queimarmos a todos.

A ignorância de uma reivindicação destas é quase ofensiva e é mais uma grande homenagem ao loserismo nacional.

08 janeiro 2008

Numa concepção pessoal de família italiana que, em boa hora, me foi passada de pequeno, tenho a dizer:



Cena de La Dolce Vita de Fellini

A Rititi, versus a Ana, (que um dia ainda me vai explicar porque é de Amsterdam e não de Amesterdão - se calhar até já esclareceu o assunto no seu blogue, mas eu sou um homem com problemas e algumas distracções), faz lembrar a típica luta de mulheres: poeira, puxões de cabelos, ciúmes e sabe-se lá que mais.

É, no fundo, uma coisa red-blooded e divertida que não deve ser levada a sério porque pode ser apartada, a qualquer momento, por um ou dois senhores de fato com risca de giz, Borsalinos e excelentes sapatos, que as separam com sorrisos maliciosos mas inofensivos.

07 janeiro 2008

Uma honra.

Ao A Origem das Espécies, obrigado pela ligação a este blogue.

03 janeiro 2008

As coisas que um blogue, o filme I Am Legend e uma análise empírica permitem:

A concentração de pessoas numa determinada região ajuda a natureza das zonas desertificadas a progredir? Se toda a gente vem para o litoral é lógico que o interior fique em paz e sofra uma menor acção do homem, certo?

O Alberto João Jardim deveria ter lido mais, verdade?

Se o novo aeroporto não fosse na Ota, estávamos todos malucos, correcto?

02 janeiro 2008

Nuvem negra.

Aos operadores de call center fumadores dêem-lhes ansiolíticos.