31 maio 2007

Meu Deus.



Juan Rulfo. Escritor genial, mexicano, cuja obra se resume a dois livros, Pedro Páramo e Planície em chamas.

É a prova de que não é preciso uma obra vasta para se ser consagrado ou precursor do que quer que seja. É, só assim, considerado um dos escritores mais importantes da história da literatura universal.

As duas obras-primas, e mais uma de contos soltos e editados postumamente, podem-se encontrar na Cavalo de Ferro.

Cliché cool I.

Tenho um iPod que utilizo com uns auscultadores melhores do que os que vinham de origem. Por uma razão simples: os branquinhos são de fraca qualidade (e poderia agora começar a explanar palha acerca das frequências e impedâncias).

Isto faz confusão a alguns amigos porque assim não se vê que é um iPod, podendo os transeuntes convencerem-se que o que me toca é um leitor de MP3 vulgar. Para os publicitários, designers e frequentadores do King isto é a grande dor de cabeça. A parvoíce e os phones de origem não lhes saem da cabeça.

30 maio 2007

Pronto, não se fala mais nisso.

Para quem vem da Praia da Rainha em Agosto, um ar condicionado é sempre bem-vindo.

Querida Vieira, a pão de forma é, de facto, muito bonita. O meu problema é com os clichés cool. E não há publicitário, surfista ou crise de meia-idade que não resvale para ela. Tirando isso, eu até gostava de andar numa.

28 maio 2007

Emoções fracas.























A fórmula 1 perdeu a graça e agora vamos ter de esperar algum tempo até a coisa voltar a ser emocionante. A saída do Schumacher deitou a coisa numa espécie de vazio. Ver um génio em trabalho é raro e ele foi o último e o maior que este desporto conheceu.

Para mim a emoção é, para alem de ver o Schumacher a pulverizar todos os records da fórmula 1, ver o Tiger Woods a cilindrar os adversários vezes seguidas e sem limites, assistir a coisas como o Ivan Lendl a fazer 4 ases seguidos muitas vezes. É guardar o Maradona, o Ronaldinho Gaúcho e o Michael Jordan a acabar com a concorrência típica do que não está cá nem lá. Coisas taco-a-taco são típicas da mediania, não da superioridade. Quero ver mãos como a do Maradona a marcar golos em mundiais, Ayrtons Sennas a pregar com a concorrência fora da pista, Schumachers a dizer que são muito melhores e Mourinhos a gritar que já ganharam. Quero a verdade desportiva e não o campeonato da 3ª divisão de Curling da Suécia só porque é emocionante até à última jornada.

25 maio 2007

Ministério do Bom Gosto XV.



North American Scum - LCD Soundsystem

Eu estou de acordo com o Ministro Mário Lino.

Mas foi preciso grande coragem ou estupidez para dizer o que disse.

23 maio 2007

Adoro o cheiro a Tarantino.





22 maio 2007

A verdade.

Há pessoas mais inteligentes que outras, tal como existem pessoas com mais força do que outras. Assim como é certo que nem toda a gente nasce com a mesma capacidade de aprendizagem. Estas são questões que se prendem com a genética e não com sensibilidades.

Isto só se aplica ao individuo e não a grupos ou etnias, ou seja, nenhuma destas coisas sustenta o racismo ou a descriminação. É a natureza que é assim e pronto.

Para os interessados, arranjo o nome dos estudos que comprovam o que aqui digo, basta escreverem para a caixa de correio deste blogue. Contudo, se o fizerem, significa que andam pouco atentos ou então são políticos habituados à correcção angariadora de popularidade.

21 maio 2007

Campeão.

A grande vantagem de o Futebol Clube do Porto ser o novo campeão nacional é que a festa e a conversa acabam depressa. Ou pelo menos não se ouvem daqui.

18 maio 2007

Sem tempo.

Tenho andado ocupado com vários trabalhos de comunicação sensível para uma grande farmacêutica. Todos eles referem-se a medicamentos para cancro. Enquanto digiro o grande manancial de informação acerca de doenças fatais, tratamentos, tempo de sobrevida, experiências e critérios monetários de aplicação, ocorrem-me vários pensamentos. O sentido aparente de ideias de desenvolvimento cientifico juntas com nazismo parecem-me fazer algum sentido. É, de certa forma, assustador.

Isto irá servir, quem sabe, para futuros posts. Não sei se sou um privilegiado ou um portador de coisas que só fazem falta a deuses.

14 maio 2007

Por falar em tubos de escape, e não esquecendo que por aqui vive o bom gosto, que tal isto:


Sou apenas a minha referência.

Se vemos alguém pior que nós, ficamos com uma certa pena. Se vemos alguém melhor, achamo-lo exibicionista.

Estar num jantar com alguém a discutir os nomes dos bosques nas obras de Shakespeare irrita-me um bocadinho. Tanto como ter que explicar a um vizinho que deve retirar aquelas luzes roxas do tubo de escape do carro.

Liberdade é não ter que escolher.

O avançar da idade vai eliminando riscos. Com o meu, já não corro o de optar por um partido político.

11 maio 2007

Ministério do Bom Gosto XIV.


The Bob.

Este corte de cabelo foi criado na década de 20 do século passado. Revolucionário na altura, ainda hoje é considerado um dos expoentes máximos de arrojo e elegância. Não é para qualquer mulher, tal como um fato beije não é para todos os homens.







10 maio 2007

Hoje ocorreu-me:

Será que os ecologistas mais fervorosos ficariam aliviados se os jornais e livros, no formato tradicional, acabassem?

Para mim II:

Uma VW pão de forma é pior que uma auto-caravana francesa em plástico.

Para mim I:

Um vegetariano convicto faz tanto sentido como um carnívoro convicto.

07 maio 2007

Correcções.

Muitos dos textos aqui publicados são revistos e corrigidos posteriormente. O post abaixo, na sua versão inicial, era razão suficiente para perder, pelo menos, dois dos meus leitores habituais.

Esta leviandade poderia continuar uma vez que a fama deste sortido é pueril. Contudo, os afamadíssimos blogues que o têm na sua lista de links não me permitem tal incúria.

Uma espécie de decisão de ano novo rectificativa impõem-se.

Em casa e na cidade.

Conheço muitas mulheres que gostam de O Sexo e a Cidade e de Donas de Casa Desesperadas. Além dos pontos de identificação apregoados, existentes em qualquer obra verosímil, dá vontade de perguntar-lhes porque não começam por se vestir tão bem como as protagonistas.

06 maio 2007

Em França.

A gira perdeu as eleições.

A lei do meu esforço.

Os independentes e os de autor requerem um tempo que não tenho. Experimentações, deixo-as para quem tem vagar ou para quem se interessa por distracções velhacas.

Uma parte dessas obras, para não dizer mais, são de pouco valor.

Eu gosto da maturidade. Da coisa levedada.

Abram os braços aos novos, alimentem os que valem a pena e sirvam-mos numa bandeja, por favor.

04 maio 2007

Ensaio para a série Ministério do bom gosto:

Seria uma capa de revista com uma ilustração do Sr. Carmona Rodrigues a espalhar-se de bicicleta numa escadaria de Alfama. O nome dessa revista era O Lisboeta e o grafismo seria inspirado no da New Yorker.

02 maio 2007

Caro Anders Ilar,



Muito obrigado por eu agora achar que muita da música que ouvi foi uma perda de tempo.

Nem os sons dentro da barriga da minha mãe soavam tão bem.

Evidência du jour.

Os matemáticos são uma espécie de franceses. Se falamos com eles, começam por traduzir para a sua língua, e não tarda que tudo se transforme por completo.

Goethe.