30 março 2007

Ministério do Bom Gosto IX.



Moët & Chandon e duas flutes sempre à mão. Ou como ouvi dizer uma vez: epá eu gosto é de Moitachandon.

Quanto à Lucy Liu, eu sou um homem com problemas.

29 março 2007

Pesquisa:

4% lêem regularmente as etiquetas da roupa ou acessórios que compram.

96% fazem coisas mais importantes.

27 março 2007

O estado democrático,

tal como o estado de saúde, só é bom se não for preciso perguntar por ele.

Israel.

Antes de se transformarem em ditaduras, os países podem passar por uma espécie de israelização. Serve isto para apaziguar os espíritos que se desassossegaram com a vitória do Dr. Salazar como O Grande Português.

Como nos discursos alarmistas em excesso dos ecologistas, também os de agora são fruto de um pânico acabado de tirar ao acaso.

Vivêssemos num país onde um check-in demora 8 horas em média e não sei o que seria. A propósito, nesse país, as autoridades do aeroporto podem, depois de um dia de averiguações à pessoa e à bagagem, barrar o embarque a qualquer cidadão sem razão formada. Há um livre arbítrio onde o simples “não vou com a sua cara” serve para ficar em terra.

Se fosse cá, qualquer muro seria transformado num das lamentações.

26 março 2007

A democracia é de todos e é para todos.



















A moda traz-nos Ches e Salazares, é assim o entretenimento.

21 março 2007

Era um jornalismo diferente, se faz favor.

No Público de hoje vem uma notícia com o título “Mais de 70% dos portugueses não escreve uma carta há anos”. Nesta pode ler-se também que 53% envia mensagens de telemóvel quando estão de férias, em vez de enviar o tradicional postal.

Esta linha de pensamento jornalístico teria sido muito mais interessante se referisse a percentagem de portugueses que não escreve nada e quando foi a última vez que o fez.

Assim, ficamos com uma inutilidade que poderia ser substituída por “Mais de 89% dos portugueses não escreve à máquina há anos”, ou outra coisa qualquer.

Arquivo vivo.

Ser contemporâneo de Pulp Fiction, Gilles Villeneuve, do fim dos Abba, da RDA e do aparecimento das fotocopiadoras dá-me muitas vantagens em pouquíssimas coisas (tal como ser ribatejano).

20 março 2007

Há dois dias no novo trabalho e posso dizer que:

Pode medir-se a qualidade de um local de convergencia pela existência ou não de água quente nas torneiras da casa de banho.

14 março 2007

Ministério do Bom Gosto VIII.


Elizabeth Montgomery


Britney Spears – Daniel Edwards
A Associated Press descreve esta escultura da seguinte forma: The life-size pop princess is naked and pregnant, crouching face-down on a bare-toothed bear rug as the baby’s head appears on the opposite end.”

Uma pele verdadeira de urso polar no chão da sala. Mas das que foram perfeitamente tratadas por um taxidermista inglês há cerca de 40 ou 50 anos (que eu não quero problemas com a PETA).

Apesar da controvérsia do artefacto, devo referir que a primeira vês que vi uma foi num Disney Especial de 1979. Este facto legitíma, de certa forma, a inocência do meu desejo.

Veremos.

No post abaixo, a palavra Mas está mal escrita. Falta-lhe o S. À segunda vista, caso acrescentássemos um acento, este erro passaria a .

Tendo em conta a temática e as personalidades abordadas, poderíamos tentar arrumar este lá pelo meio. Não sendo uma tarefa difícil, emendá-la parece-me ser ainda o mais simples de se fazer. A dúvida que se levanta: se corrigir, este post deixa de fazer sentido, se ficar assim continua errado mas com a terceira possibilidade do acento.

A solução poderá passar por manter temporariamente o erro e este texto. Daqui por uns dias corrijo a e apago este post.

13 março 2007

A Clara Pinto Correia e o Tomás Taveira.

Caso fiquem na história, estes dois portugueses não se poderão descolar dos deslizes que cometeram. A primeira pelo já referido plágio e o segundo pela conhecida dicotomia sexo anal - máquinas de filmar.

Ma existe uma diferença entre as duas bombas que lhes rebentaram na cara: a da Clara é um deslize que lhe compromete a intelectualidade mas a do Tomás é apenas de conduta comportamental. Significa isto que a do Tomás, independentemente da nossa opinião acerca de cada um, é menos destrutiva que a da Clara.

12 março 2007

Clara Pinto Correia.

Cada vez que a vejo sinto-me mal. Lembra logo a palavra plágio. É injusto, como um deslize de infância, mas é a verdade: a senhora ficará para sempre conotada com plágio. Dentro da minha cabeça, é claro.

Gostava sinceramente, para o bem dela, que não houvessem muitos mais como eu.

09 março 2007

Ministério do bom gosto VII.



Funeral – Band of Horses.

É por ser fim-de-semana e porque esta versão tem um baixo de luxo.

Ministério do Bom Gosto VI.



Carlos Kleiber - Beethoven symphony No.7, Op.92

Sinais exteriores de perfeição.

08 março 2007

"Eu gosto de arte."

Esta frase é tudo menos um bom começo de conversa.

Eu sou um garoto.

E a prova é que não deveria ter posto a palavra pobre no link que fiz ao prestimoso Jansenista. Eu, num ataque de aborrecimento, achei que o referido blogue, de grande valor, estava a ficar como a arte em geral: aborrecido. Eu não acho a arte aborrecida mas este é o motivo porque esta não seduz as massas (e quando seduz começa-se logo a questionar o valor da obra).

Ou seja, eu aceitaria de bom grado a limonada, porque, por enquanto, não beberei mais vinho.

06 março 2007

Os blogues são estradas sem radar onde vimos fazer peões.

A nossa imagem é sobrevalorizada e a nossa cultura insuspeita.

Se quisesse poderia, neste preciso instante, procurar um nome de um vinho raro, caro e disponível só para conhecedores no Google. Depois de escrever sobre qualquer coisa colocava com cuidado o nome desse vinho no post e seria um herói quase com direito a link neste pobre blog.

05 março 2007

Hibernação.

Gostava que as pedras para onde fogem os políticos após a derrota fossem mais pesadas. Depois do regresso de Paulo Portas, Pedro Santana Lopes prepara-se também para reaparecer.

Em política, o adeus nas derrotas e nas humilhações, caso de Santana Lopes, dura dois anos. É o meio do mandato de quem lhes ganhou e julgam que é também o suficiente para que as pessoas se tenham esquecido do que fizeram, ou não.

Paulo Portas foi e vai ser líder de um partido minúsculo, cada vez mais afastado da realidade.

Pedro Santana Lopes foi e é incompetente. Serve para as televisões e para dizer que é um bebé numa incubadora a ser pontapeado.

As pedras onde se esconderam são as pedras onde tropeçam.

01 março 2007

No news is great news.

A imprensa está condenada e a portuguesa ainda mais. Os despedimentos e contratações nas direcções de jornais, as reformulações gráficas e as alterações estratégicas que se têm registado nos últimos tempos não são coincidência.

Por questões profissionais sou obrigado a estar atento ao mercado editorial e os números não mentem: desde 2005 que o número de leitores em todos os jornais e revistas, salvo excepções muito esporádicas e temporárias, estão em queda acentuada.

3 razões para o futuro (pode substituir-se futuro por agonia) irreversível:

- Internet;
- Alteração de investimento publicitário nos meios tradicionais;
- Imprensa gratuita (esta é menor mas também ajuda).

Isto junto com a mediocridade do nosso jornalismo fará uma purga sem precedentes.

Quanto à nova Visão, espero que lá dentro tenham uma.