31 dezembro 2007

A todos os leitores, um bom 2008.

Um jantar em casa, perto da lareira, e a minha primeira sobrinha que está a nascer mais minuto, menos minuto. Nada como começar um ano com bocadinhos de perfeição.

28 dezembro 2007

Onde os meios de informação não chegam:

Benazir Bhutto foi assassinada pelo governo Paquistanês. Este homicídio convém de forma inquestionável a Pervez Musharraf, relança o caos no país e, portanto, a legitimidade para este presidente fazer o que lhe apetecer.

Contudo, é compreensível que nenhum meio de comunicação mundial possa sequer insinuar esta verdade, o que nos leva à distorção e distracção da verdade logo à nascença.

27 dezembro 2007

A justiça, essa meretriz que nem sempre serve quem pensa estar do lado da razão.


Roy Stuart

A igreja diz que não se pode usar preservativo e que as relações sexuais devem ter como objectivo único a reprodução.

O facto de nenhuma destas ideias ir contra a lei transforma-as em algo de válido e respeitável, tal como os pontos de um estatuto de uma associação qualquer.

Ao fazê-lo, a igreja está a dirigir-se aos crentes, retirando legitimidade às opiniões de todos os outros. Os laicos ou simpatizantes de outras religiões devem assim meter-se na sua vida.

Relógio D’Água.

Nunca simpatizei com apóstrofos. Nem eu nem o corrector ortográfico que trata logo de embelezar estas sinalefas com um ziguezague encarnadinho.

21 dezembro 2007

A pressa em primeira mão.

A nova campanha da Diesel, com a potência do costume.

Vive depressa, não reflictas nem ponderes, corre atrás do imediato, do descartável e do esquecível.

Vivam o fast-food, o speed-dating, as cápsulas de café e as mensagens instantâneas.

Agradeçamos à pressa a Wilbert Das e à agência de publicidade francesa Marcel.

(clicar nas imagens para ampliar)







20 dezembro 2007

A ordem das coisas.

Quase todas as estudantes universitárias apresentam malhas nas meias sempre que se vestem a rigor.

19 dezembro 2007

Voltar à casa da partida.

Há uns tempos saiu para a rua uma campanha publicitária da cerveja Tagus com o conceito Orgulho Hetero.

Esta era uma campanha que nada tinha de ofensivo para os homossexuais. Não discriminava nem incitava a nenhuma espécie de marginalização.

Essa campanha foi alvo de censura e teve que sair do ar.

Agora vem a parte do texto que, para alguns homossexuais menos informados ou militantes obcecados do bloco de esquerda, tem bolinha encarnada no canto superior direito:

- A homossexualidade deixou de ser considerada uma doença pela Organização Mundial de Saúde na década de 90 do século XX (alguns países retiraram-na da sua listagem a título individual na década de 80, (por exemplo o Brasil com a exclusão do artigo 302.0 do seu Código Internacional de Doenças da OMS, em 1985).

- A Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da sua lista de doenças por pressão e lobby de indivíduos e organizações dos Estados Unidos da América.

- Os indivíduos e organizações responsáveis pelos lobbys e coações acima referidos ocupavam lugares de destaque e poder em inúmeras áreas da sociedade norte americana.

O que acabei de escrever não é uma opinião pessoal nem um preconceito, são factos.

Quanto ao resto, apetece-me dizer o seguinte: a percentagem de pessoas homossexuais e a vulgarização da homossexualidade em todas as sociedades e países não é razão para que esta tenha sido retirada da lista da OMS. Se assim fosse, também a cárie dentária, por exemplo, deveria deixar de ser considerada uma doença.

E sim, sinto-me ofendido pela falta de democracia e liberdade neste país.

Desta forma, nada mais resta do que colocar os dedos todos na ferida e arrastar o debate sobre a homossexualidade para base, ou seja: um individuo que se sente atraído sexualmente por outro do mesmo género é saudável ou sofre de alguma patologia que o leva a este comportamento desviante?

17 dezembro 2007

Este filme é para ti,



maradona.

15 dezembro 2007

Já estou a começar.

Tal como o governo de António Guterres, este blogue tem-se limitado a reagir aos dias. A Via Sacra do primeiro durou anos, a daqui já acabou.

Começo já:
Sempre que uma frase é iniciada por um número, a primeira letra deverá ser em caixa alta (comum maiúscula) ex. - 2008 Não foi um mau ano.

12 dezembro 2007

Recorrências.

Olho para a cena política nacional e lembro-me sempre da seguinte frase de Umberto Eco:

Temos que proteger os patetas da sua vaidade, tal como se faz com os suicidas e os seus desejos.

10 dezembro 2007

Passeig de Gràcia quase me matou.

Chego com o síndrome do metropolitano: cidades com um antigo são sempre melhores que cidades com um recente. Este é daqueles casos em que a velhice é efectivamente um posto, ou uma estação.

06 dezembro 2007

Vou às compras.



Segunda-feira estou de volta.

03 dezembro 2007

O Público de hoje diz na capa que Hugo Chávez e o Sim ganharam.

Lá está a informação, em Portugal, no seu melhor. Cada vez que começo a equacionar o exagero da minha má opinião sobre o jornalismo neste pais, vem uma notícia destas e repõe-me a paz de espírito.

30 novembro 2007

Conclusão de peluche:

O Mohammed é um urso.

Sendo que misturar ursos de brincar, vergastadas, posições de joelhos e gente algemada nem parece muito chocante, assim à primeira vista.

29 novembro 2007

Não respeito em demasia José Saramago, a sua obra e o prémio importante que ganhou.

Não respeito nada um país que ignora um dos seus maiores escritores.

27 novembro 2007

O Grande Arquitecto do Universo da casa.

O conjunto de palavras Tomás Taveira em buscas na internet é responsável por centenas de visitas a este blogue. É obra.

26 novembro 2007

Lost.

Não percebo as pessoas que não têm pressa às sextas-feiras ao fim da tarde. Este não é um bom sinal e denuncia-as como divorciadas ou pior.

22 novembro 2007

Mais uma voltinha.

Não simpatizo muito com o treinador Scolari mas reconheço-o como um excelente profissional, dos melhores que a nossa selecção já teve.

Ontem, depois de mais um dos objectivos cumpridos, o apuramento da nossa equipa para a fase final do Euro 2008, os jornalistas pobres (e com a ingratidão típica dos pobres) perguntaram-lhe tudo menos o que importava.

Ele pô-los no lugar deles e saiu. Abençoado.

21 novembro 2007

Agora mete-se o Natal II.



Anúncio de 1974. Leiam o bodycopy, por favor.

20 novembro 2007

16 novembro 2007

Fack.

O grafitter iletrado e o falso amante estão muito perto.

14 novembro 2007

Cabeças simples.




A Olá tem uma nova campanha publicitária em que Eva Longoria diz: "Sou simples, satisfaço-me com o melhor”.

Resultado: bom produto, boa modelo, péssima agência que se serve duma citação de Oscar Wilde e nem tem coragem de o assumir.

13 novembro 2007

Coisas que irritam ou validam o mau caminho da humanidade em geral.

Hoje, quase todos os automóveis têm os faróis em plástico.

09 novembro 2007

Agora mete-se o Natal.

Chris "Christmas" Rodriguez - para quem deseja substituir o Pai Natal.

"O planeta terra é onde nós vivemos, ao contrário da Quercos e do Miguel Portas"

Obrigado infinitos.

07 novembro 2007

A sorte e o azar são menosprezados.

Como factores decisivos de alguns desfechos, ambos são ignorados por desresponsabilizar e desculpar. A bola que bate no poste da baliza está cheia dos dois e divide-os exactamente ao meio.

A sorte e principalmente o azar, (pelo drama que o polvilha), vivem e são certinhos quando têm que aparecer. Há quem tenha dificuldade em lidá-los porque ainda não abandonou a exigência de uma justificação para tudo.

Eles têm umas costas largas, merecedoras de muito mais palmadinhas do que as que levam.

02 novembro 2007

Ministério do bom gosto XXII.



Casa Museu dos Patudos.

“Singular residência de um homem de bom gosto”.

A colecção de arte de José Relvas numa obra fabulosa de Raul Lino. Em Alpiarça.

31 outubro 2007

40.000 anos de prisão.

É a pena que um dos terroristas que assassinou 190 pessoas em Espanha apanhou (a palavra apanhou é mesmo a que quero utilizar).

Esta pena é justa e deveria ser possível de se aplicar em Portugal para casos semelhantes ou piores.

Sou frontalmente contra a pena de morte mas acérrimo defensor da prisão perpétua.

Portugal é o único pais da Europa cuja pena máxima não é a prisão para o resto da vida e gostava de pensar que isto não é outro dos nossos atrasos civilizacionais.

É que há pessoas que, pura e simplesmente, não fazem falta à sociedade.

29 outubro 2007

Preciso de ajuda.

Cara Charlotte, será que consegue explicar que coisa é esta de na Argentina as mulheres dos presidentes quererem ser como os maridos mas melhor?

25 outubro 2007

Arrancado do contexto,

Hoje, temos apenas o «metrossexual», que é basicamente um gay que ainda não aceitou a sodomia no seu coração, como os «cristãos renascidos» aceitam Jesus Cristo.

mas ainda assim cárcere definitivo da verdade. Num óptimo estado.

Ministério do bom gosto XXI.


Os marmelos (Aegle Marmelos).

São muito mais que um simples fruto. Trazem-nos uma forma simples de excelência se provados sob a forma de geleia. Quando cozidos no ponto ganham a textura do veludo, diferente da crosta cristalina da marmelada.

Apanham-se por esta altura, à beira de uma qualquer estrada ribatejana. São alvo de menosprezo pontual, tal como as castanhas, fabulosas quando Marrons Glacés.

24 outubro 2007

Sem tempo.

Este blogue volta à normalidade a partir de amanhã.

17 outubro 2007

Cá não se fazem coisas inteligentes porque o mercado é pequeno.

E há mercados semelhantes ou menores, o belga por exemplo, que fazem o favor de nos retirar este argumento.

Sobre a televisão Portuguesa:

há países onde se fazem séries interessantes sobre escritórios há décadas.

Bom Design I: Braun MPZ 21




Desenhado em 1972 por Dieter Rams.
Este espremedor de citrinos ainda é fabricado e comercializado em 2007 sem nenhuma alteração.

O bom design é a antítese da moda.



Dieter Rams.


É feito para ser intemporal, belo e funcional. Concebido para não cansar e também para agradar à vista, a peça perfeita deve ser exibida quase com vaidade.

O design de referência é conservador e poupa desde os materiais e montagem até aos anos em que irá servir sem necessidade de substituição. Não gosta de consumismo e tem pavor do desperdício.

Assim, poderá concluir-se que a Fashion Clinic e o Facto são uma espécie de estabelecimentos dirigidos a jogadores de futebol em ascensão ou a pessoas que, 15 anos depois de Nova Iorque, descobriram o sushi numa qualquer bodega de Lisboa.

15 outubro 2007

O filho do Jardim Gonçalves tem pais ricos.

Quem sabe, sabe, e o Joe Berardo é que sabe.

10 outubro 2007

O PSD e os ansiolíticos.

O novo presidente do ex-principal partido da oposição parece que anda a dormir, além dos olhos Salman Rushdie style, a dicção e até os movimentos da cabeça parecem estar noutra escala de tempo.

Isto dos consultores e conselheiros não é coisa que se subestime.

09 outubro 2007

Erro.

Quem inicialmente leu romenos em vez de holandeses no post sobre a Uitwaaien, leu bem/mal.

A brisa e a palavra são dos países baixos e devem ter origem numa espécie de trauma saudável por viverem abaixo do nível do mar.

08 outubro 2007

Nitidez.

Nos últimos dias ouvi ou li os seguintes juízos:

- Há demasiadas imagens, não precisamos de tantas. Uma palavra consigo interpretá-la e repeti-la para quem quiser, uma imagem não (a não ser que seja um bom desenhador).

- As profissões criativas, ou onde se pede criatividade para a função, estão fora de moda. O futuro passa também por ofícios repetitivos ou de essência tradicional conservadora. As pessoas não querem ser felizes no trabalho, querem sê-lo fora dele.

- Se o trabalho fosse uma coisa boa não te pagavam para o fazeres.

P.S. As duas últimas ideias foram de pessoas e conversas diferentes. Os autores de semelhantes verdades não estão identificados porque a distracção e a idade começam a tomar conta de mim.

A saudade dos holandeses.

Uitwaaien é uma palavra holandesa que, tal como a saudade portuguesa, não tem tradução aparente.

Para os holandeses, uitwaaien é uma brisa marítima que entra na cabeça e faz uma limpeza geral.

Se em vez de acrescentarmos bué de palavras manhosas aos nossos dicionários pensássemos numa que significasse esta lufada que faxina é que campávamos.

(Good) Friends in high places.

02 outubro 2007

Para um muçulmano terrorista, um ateu é pior do que um católico.

A falta de uma qualquer conivência faz-lhe lembrar o vazio, e, como toda a gente sabe, nem a Natureza suporta semelhante coisa.

01 outubro 2007

A vergonha dos que acabaram de estatelar o país.

Portugal está a caminhar a passos largos para pior. O Sr. Menezes ganhou como eu sabia mas não desejava. Para além do PSD, este país acabou de rebentar a escala da estupidez.

É ver gente inteligente corada de vergonha a felicitar o energúmeno vencedor. Manuela Ferreira Leite até estava desfigurada com as palermices que a ocasião lhe obrigou a tecer. O Primeiro-Ministro Sócrates rebolou com tamanho presente.

Mário Soares e Pacheco Pereira disseram o que de mais acertado poderia ser dito nesta ocasião pós-traumática: cuidado que em terra de populistas, incompetentes, corruptos e insatisfeitos, quem tem olho é ditador.

Espero, sinceramente, que este senhor leve rapidamente o PSD para o nível zero que é o seu próprio. Talvez este processo sirva assim como quem arranca um penso de esticão para não doer muito.

Depois dele, que venha alguém que trabalhe muito e aproveite os despojos para construir algo que se veja.

É Portugal, um país fabuloso onde vive a mediocridade por camadas.

Que Sócrates e Cavaco vivam por muitos anos.

28 setembro 2007

Sem meios a medir.

Apesar do post anterior, (desculpem-me a vontade de brincar sempre que ouço o nome Pedro Santana Lopes), partilho a mesma ideia de quase toda a blogoesfera: Lopes fez muito bem em ir embora e em acabar com a cara da SIC Notícias antes de abalar.

As capas do Diário de Notícias e do Público de hoje destacam uma imagem de um jornalista japonês a morrer numa das manifestações na Birmânia. Se fosse um mero manifestante a coisa não teria tanto interesse para os jornais e a fotografia resultante poderia dar lugar a uma de Paris Hilton a fazer trabalho comunitário, ou assim. Para mim é muito mais relevante a morte de alguém que está a lutar por um ideal do que alguém que desempenha uma profissão de risco.

27 setembro 2007

Mourinho é muito mais importante que Santana Lopes.

Só não vê quem não quer, e quem usa cabelo tipo posta na nuca.

25 setembro 2007

Pináculo:




“No Irão não existe homossexualidade” - Mahmoud Ahmadinejad

24 setembro 2007

Ó sô guarda, passe-me lá uma seringa se faz favor.

Não poderia ser mais contra a distribuição de seringas em prisões. Esta é uma medida que corrobora na perfeição a incapacidade, incompetência, desleixo e leviandade de quem toma conta destas, começando em S. Bento e acabando no guarda prisional mais novinho.

Esta não é uma questão de mal menor, nem sequer de paternalismo perante os coitadinhos dos presos que assim têm o direito e o apoio do estado português para continuar a cometer ilegalidades dentro do local onde estão a cumprir a sua pena.

Quanto ao argumento mais comum, vindo normalmente de pessoas mais à esquerda, de que assim se salvaguarda a vida e a saúde dos detidos, só tenho uma coisa a dizer: por favor, ganhem vergonha na cara. Então estão a preocupar-se com factores económicos? Têm medo que os reclusos fiquem doentes e que tenham que gastar dinheiro com eles? Dão seringas para não ter que os aturar nas enfermarias? É desta forma grotesca e incompreensível que tentam defendê-los da sociedade que, segundo algumas opiniões, os encaminhou para a marginalidade?

Então e o problema da entrada de estupefacientes nos estabelecimentos prisionais, há alguma coisa a fazer para o minimizar ou deixa-se assim?

Para acabar, gostaria de dizer que esta opinião poderia ser diametralmente oposta, caso a liberalização de todas as drogas fosse uma realidade, (causa que defendo com alguns cuidados). O que não é admissível é a hipocrisia na sua forma mais comum: a política.

21 setembro 2007

Du jour.

Numa discussão entre pessoas de cultura simples é frequente ambas não terem razão.

18 setembro 2007

A pretensão é a pedra que sustem ou afunda.

Não sei se o objectivo de um filme é tão importante como ele próprio. Mas sei que o propósito e lucidez com que é criado revelam-se fundamentais para o seu valor.

Já foi bom? Já. Ainda é? Não.

Blade Runner passa-se em Los Angeles no ano de 2019. Este facto, parecendo que não, destrói a obra a cada minuto que passa pela inverosimilhança evidente no espaço e no tempo. O que já foi uma obra-prima não passa de um ajuntamento de cenários lindíssimos e alguns bons desempenhos de actores. Criou e foi morto pelos lugares comuns a que deu origem.

Dar desconto para aceitar estatutos cinematográficos não é coisa que valha a pena.

Penso que as histórias que se passam no futuro deveriam ter uma margem de 500 anos para a frente, no mínimo.

17 setembro 2007

Che Benfica.



Depois do equipamento cor-de-rosa, um Che que lembra perfume de jardins. Há gente para tudo.

13 setembro 2007

Ministério do bom gosto XX.



Cartaz do filme Super Fly de Gordon Parks Jr. (1972). A banda sonora também é excelente – disco com o mesmo nome de Curtis Mayfield.

11 setembro 2007

Puristas e adolescentes uni-vos.



Sendo o purismo algo que se refere ao escrúpulo excessivo na análise da linguagem, esta é uma palavra que também se costuma utilizar para falar de outros exageros de observação para além desta, nomeadamente o das várias formas de arte.

O purista paga por um sistema de som o mesmo que por um T2 no Chiado, mas é incapaz de chegar ao prazer que um adolescente tira de um leitor de MP3.

Partilhar horizontes e downloads resolveria carências de ambos os lados.

06 setembro 2007

Católico não praticante.



Esta é a primeira imagem apresentada pelo Google numa pesquisa pelo título deste post.

E este é um exercício definitivo criado há tempos pelo Maradona.

05 setembro 2007

Até ver,

a laicização de um estado não lhe trás nada de bom.

03 setembro 2007

Librarians Love Lucy Liu.



Houve um tempo no mundo ocidental em que a palavra era a coisa mais valiosa num homem. Agora encontramos este valor nalgumas sociedades orientais, o Japão serve como exemplo.

A palavra de honra não se desbaratava e podia substituir um contrato sem muita dificuldade.

É pena que da Ásia só se adoptem modas como a comida ou o mobiliário.

Eu uso, até por homenagem ao que o meu pai e avô faziam.



É importante, para o indivíduo, ter as suas coisas. Propriedades ou mobiliários de vária ordem servem mas não chegam. Há vagas por preencher na cabeça onde cabem coisas como informação ou música e que completam a pessoa.

Há algum tempo que umas caixinhas com fios e auscultadores servem esta última necessidade. É ver todos, e cada um, mergulhados num mundo só dos dois, máquina e ouvidos de mãos dadas a descer avenidas ou num banco de autocarro.

Novos e velhos na moda há muito tempo, a ouvir relatos de futebol, o António Sala ou LCD Sound System. Ambos nas mesmas posições a fugirem e a distraírem-se. O que ouvem dá-lhes vantagem.

iPod’s a cores ou rádios AM of a certain age são a mesma coisa com pequenas diferenças técnicas.

31 agosto 2007

Em exibição, perto de si.



A novidade está no grafismo, o argumento já toda a gente conhece.

29 agosto 2007

Noticiário bárbaro.

Vi a notícia de um linchamento popular de um ladrão na Índia, com imagens da selvajaria. A SIC dá esta notícia porque existem imagens de sangue, tal como daria uma de um acidente de viação, caso alguém o filmasse.

Não respeito este jornalismo.

27 agosto 2007

As expressões do belo.



Elephant gun - Beirut

24 agosto 2007

Human after all.

Devido ao adiantar da inteligência, ao desenvolvimento do conceito e ao facto de Deus estar nos pormenores, a nova campanha publicitária da Diesel, desenvolvida pela agência KesselsKramer, é uma obra definitiva.





Diferença entre informação e conhecimento II.

Chegam vários leitores a este blogue pela seguinte procura no Google: “qual a diferença entre informação e conhecimento”

Depois de um primeiro post irónico sobre o tema, devo considerar o seguinte:

É uma questão de digestão. A informação terá que ser digerida para se transformar em qualquer coisa participante do individuo, neste caso conhecimento. Se a matéria resultante despoletará exercícios de elasticidade intelectual é outro assunto.

Uma despensa farta não é garantia de um jantar brilhante.

23 agosto 2007

Os plágios do Sr. Menezes (ou do Sr. Assessor do Sr. Menezes).

Não têm importância nenhuma, até porque estamos a falar de honestidade e isso para política não conta nada, como se sabe.

Aposto que isto é episódio para encher de orgulho os seus amigos mais íntimos.

21 agosto 2007

Hierarquias.

Qual a etiqueta mais importante num casaco? A que diz Armani ou a que diz XXL?

17 agosto 2007

A classe dos escritores.



Os escritores abastados têm mais disponibilidade para a criatividade. Não têm grandes preocupações ou perdas de tempo com a própria subsistência. Mas este estado retira-lhes alguma revolta ou sal que costuma reflectir-se na obra.

Os escritores com dificuldades, pelo contrário, têm algumas vezes excesso de nervo ou sangue vivo que lhes vai salpicando as páginas e as mãos enquanto escrevem.

Contrariando a vida normal, em literatura a classe média tem dado bons frutos. Muitos livros de referência nasceram do feliz remedeio dos seus criadores. Até porque ao contrario dos músicos, um mau escritor não tem lugar nas estações de metro.

16 agosto 2007

De Ray Liotta poderá dizer-se que:



O auge da sua carreira foi há uns anos.

Contudo, ainda ontem na Alemanha com o massacre de Duisbourg onde seis mafiosos foram assassinados, criaram-se novos e bons motivos para recordar Goodfellas. Motivos que, quem sabe, poderão ainda ir buscá-lo para uma nova hora e meia de entretenimento, ou mais.

14 agosto 2007

Ministério do bom gosto XIX.



Gong Li, salvo pela.

13 agosto 2007

Geografia e engarrafamentos.

Nasci no Ribatejo mas cedo vim estudar e trabalhar para Lisboa. Vivi cá durante nove anos e, apesar de continuar a trabalhar no centro da capital, voltei a morar no Ribatejo.

O conhecimento das realidades urbana e provinciana permite-me afirmar:

- Quem nasceu cresceu e vive na cidade é mais limitado em termos de análise global abstracta.

- Quem vive fora de Lisboa não se interessa muito pelos pormenores inúteis de funcionamento regular, característicos da cidade.

- Na capital há homens novos que usam chapéu. Mas estes, normalmente, não têm a educação de o tirar sempre que entram num local fechado.

10 agosto 2007

Rude Bullitt.



Bullitt é o exemplo perfeito de um clássico injustificado. É um filme pobre com actores médios e mal dirigidos. O realizador Peter Yates limitou-se a criar um festival de inverosimilhança com diálogos que chegam muitas vezes à patetice.

Em cinema, o valor intrínseco a cada obra não corresponde muitas vezes à sua reputação. Isto deve-se ao facto das imagens poderem transformar-se em provas documentais de um estilo ou época, que se sobrepõem ao valor do próprio filme. Neste caso, Bullitt é uma boa colecção de postais da década de 60, tal como Top Gun dos anos 80.

Estes filmes têm assim uma função de testemunha semelhante à da história de Bullitt que, apesar de morta, todos andam atrás dela.

06 agosto 2007

Terei sorte na saúde e amor que chegue?



Monstertruckdriver - T. Raumschmiere

Uma boa resposta para quem ainda dúvida que o futuro* passa pela Alemanha e pelo Canadá.

*Futuro da música e não do Millennium BCP, claro está.

03 agosto 2007

A viagem de Mikhail Gorbachev.



O ex-presidente russo é protagonista na nova campanha publicitária da Louis Vuitton. Fotografado, a pedido do próprio, junto a um resto do muro de Berlim, por ser a queda deste o maior dos seus orgulhos.

O leste e o ocidente estão dentro do carro. Na mala há cambalhotas de dirigentes comunistas a fazerem eco nos mausoléus.

02 agosto 2007

Livro-me.

Deve evitar-se entrar numa livraria só para ver. Não saber o que procurar neste local enerva levemente o visitante. Este dará por si a consultar álbuns com cores metalizadas ou agendas disfarçadas com um poema por semana.

Reparar no que os vizinhos levam para a caixa, e tentar imaginar a sua cabeça ou profissão é pouco interessante. Procurar um livro para auscultar a diversidade de oferta do estabelecimento, recorrendo a um clássico obrigatório ou a uma edição recentíssima, é, nestes casos, o melhor passatempo.

01 agosto 2007

Lisboa Ferreira.

Sempre que ouço o nome Rua Ferreira Borges, lembro-me sempre do Monopólio e das tardes que passei a brincar aos Pestanas.

30 julho 2007

Buzz.



Em conversa com um dos editores da Cavalo de Ferro, fico a saber que, além desta editora, também a Europa América comercializou em Portugal, durante muitos anos, o livro O deserto dos Tártaros de Dino Buzzati.

A Cavalo de Ferro detém todos os direitos do autor para Portugal e segundo esta, a Europa América vendeu o livro por cá de forma ilegal (e não sabe se ainda vende), sem licença e sem pagar quaisquer direitos.

Hoje, visitei o site da Europa América e ele lá está. A denunciar a leviandade e a desonestidade de quem não tem os escrúpulos que precisa até para si próprio.

27 julho 2007

Provoca uma ligeira azia e, por vezes, trabalha-se-me no estômago.

Porque é que a loja McDonald’s das Amoreiras tem na sua decoração uma fabulosa colecção de LP’s de jazz?

26 julho 2007

Há uma diferença entre informação e conhecimento.

A informação é uma espécie de porteira e dá-se muito bem com a internet. São unha com carne, quando se juntam é o diabo. Falam de tudo e da vida de toda a gente.

24 julho 2007

O PSD e o American Staffordshire Terrier.



Luís Filipe Menezes, como futuro presidente do principal partido da oposição, é bom para o actual governo. É uma anedota repetida ao ponto de se tornar uma verdade contorcida. Marques Mendes sempre foi demasiado baixo para líder mas era um bom guia para a travessia até às próximas eleições. Não se aguentou.

O senhor Menezes faz-me lembrar autarcas como Isaltino Morais e Valentim Loureiro. É popular e fala como o Alberto João Jardim com calmantes.

O PSD sabe que Menezes é boa carne para canhão. Está fresquinho e com nervo natural. É brutamontes, convicto e de pobre utilidade como as primeiras tropas de desembarque.

22 julho 2007

Exercício modelo.



Beleza interior ou exterior? Quatro lâminas para a gilete custam o mesmo que A passo de caranguejo de Umberto Eco.

13 julho 2007

Para o Algarve, depressa e em força.


Estarei de volta dia 22, com melhor tez, se possível.

11 julho 2007

True, true.

10 julho 2007

Clássico du jour.


Patins - Cansei de ser sexy

Não conheço o novo Estatuto do Jornalista.

Mas conheço a mansidão cínica das notícias que os visados germinam acerca deste assunto. Uma vitimização calculista por forma a não ser em demasia e um distanciamento mentiroso para dar a sensação de independência.

Como todos os grupos com interesses comuns, os jornalistas portugueses não gostam que lhes toquem. Têm um respeito desproporcionado uns pelos outros e ai de quem não estiver ao seu lado.

Muito obrigado Sr. Cavaco Silva, Sr. José Sócrates, Sr. Jerónimo de Sousa e Sr. Pacheco Pereira por não poucas vezes colocarem os jornalistas portugueses no lugar deles.

09 julho 2007

Demasiada generosidade.


New Balance Classics 579 Limited Edition. Na Bata do Campera, 20 Euros, no meio de autêntico lixo.

Foi como encontrar um Bugatti Royal empoeirado, numa quinta da Arranhó.

06 julho 2007

Do festival SBSR, o fim.



Estar ao lado deste senhor e reparar na sua expressão é mesmo agora que vamos embora, no início da actuação dos Underworld.

05 julho 2007

Dark Side.

O senhor Mark Ontkush escreveu um artigo sobre a economia de energia que se poderia obter, caso o motor de busca Google tivesse um fundo preto em vez de branco. Segundo ele, um monitor que apresente uma página com fundo branco consome em média 74 Watts, ao passo que se o fundo for preto esse consumo desce para 59 Watts.

Resultado: se todos os utilizadores do motor de busca passassem a usar a versão com fundo negro, poupavam-se cerca de 750 megawatts/hora.

A resposta do Google está aqui e funciona exactamente como a original mas consome menos energia.

03 julho 2007

Silly Season.

Esta época tem redobrado interesse por causa das eleições para a câmara de Lisboa. A palermice típica está acompanhada pela da campanha eleitoral e leva-nos a observar e a tirar uma conclusão sobre o fenómeno: as campanhas eleitorais e as actividades circenses desenvolvidas pelos candidatos não são dirigidas a pessoas normais.

São perfeitamente inacreditáveis e merecedoras de farta vergonha as coisas que são ditas e feitas a troco de votos.

Para acabar, será que alguém me consegue explicar porque é que os candidatos Telmo correia e Ruben de Carvalho aparecem nos cartazes encolhidos, assim como se estivessem, ou com muita vergonha, ou como quem acabou de sofrer uma amona?

02 julho 2007

A respeito das eleições para Lisboa.



Ouvi na TSF alguém dizer que a baixa está desprezada pelos autarcas e que haviam ruas que até tinham as pedras da calçada soltas, o que dificultava a deslocação das meninas e senhoras com os seus saltos.

Lembrei-me logo de certas e determinadas pessoas.

01 julho 2007

17 de Maio de 1990.

Neste dia a Organização Mundial de Saúde retirou da sua lista de doenças a homossexualidade.

A partir de então, podem considerar-se erradas as seguintes frases:

“A homossexualidade é uma doença” e “a homossexualidade não é uma doença”.

29 junho 2007

Olá, fone.




Começa hoje a prova dos novos iPhone da Apple. As primeiras pessoas, que estão na fila desde segunda-feira, vão poder comprá-lo a partir das 22:00 horas (hora de Lisboa).

Tenho a sensação de que a revolução que a Apple deseja não vai ser tão grande como a que aconteceu com o iPod. O facto de ser uma espécie de gadget canivete suíço não é bom presságio.

27 junho 2007

Ministério do bom gosto XVIII.



Soap On A Rope.

Estou de olho no Berardo, à espera que resvale.

Mas ainda não foi desta. Ele viu e corrigiu, (o verbo corrigir tem estado demasiadas vezes presente em Berardo, mas adiante), que o Sr. Mega Ferreira não prestava para o novo museu. Esta decisão não poderia ser mais acertada, quanto mais não seja por o Sr. Mega Ferreira ter um historial de envolvência com desvios de grandes quantidades de dinheiro das instituições por onde tem passado.

26 junho 2007

Descanso.

Conhecer a vida de escritores importantes pode ser deprimente ou muito animador. Aprecio os que se suicidaram ou auto-destruiram, mas exemplos como Cervantes dizem-me muito. Ele, já deitado para morrer, riu-se ao saber que a sua obra-prima já ia na sexta edição em apenas um ano. Depois de uma vida a inventar formas de sobrevivência, esta foi uma boa recompensa.

O único senão é que isto também serve de desculpa para a perseverança de medíocres.

Credibilidade.

A campanha da Harvey Nichols com gatinhos a espancarem-se, aqui falada há uns tempos atrás, acabou de ganhar um leão de ouro no mais importante festival de publicidade. Para quem gosta de publicidade, este site é um filão.

24 junho 2007

Esgotados.

O concerto dos Rolling Stones de amanhã ainda não está esgotado. Segundo o telejornal, ainda existem vinte mil bilhetes à venda. Isto é uma boa manifestação de bom-senso nacional.

22 junho 2007

One of these for Portugal, please.

Uma das mais importantes colecções de arte pop,

e quase tudo o que está no Museu do Design, são ideias do Berardo. Não conheço o senhor nem sei se ele virá a revelar-se um excêntrico burgesso. Mas sei que quem o já começou a rotular é ignorante e revela, de certa forma, ingratidão - essa condição típica, e o pior dos defeitos, de quem é pobre.

21 junho 2007

A abordagem mais certa que ouvi esta semana.

Olá. Posso pagar-lhe uma bebida? Ou prefere o dinheiro?

20 junho 2007

Princípio de conversa para quem está sozinho e a meio duma festa de aniversário com bom gin:

O 25 de Abril foi a pior coisa que aconteceu a este país.

A coisa mais estúpida que vi esta semana.

Uma placa de entrada que avisava:

Cuidado com o cão,
Pit Bull com SIDA.

19 junho 2007

Ministério do bom Gosto XVII.



Kerry Washigton e Forest Whitaker

Ela é uma linda linda mas ele o que será? Um feio giro, um feio genial, ou ainda um feio giro genial?

18 junho 2007

E depois querem que um homem durma sossegado.




No excelente O Pêndulo de Foulcault, Umberto Eco conta uma das melhores teorias da conspiração que ouvi na minha vida. A versão curta: William Shakespeare escreveu D. Quixote de la Mancha, obra-prima de Miguel de Cervantes, enquanto este é o autor de todos os livros atribuídos ao primeiro. Ou seja, Cervantes seria o autor da maior obra literária jamais efectuada enquanto Shakespeare escreveu aquele que é tido como o melhor livro da história da literatura.

Além de contemporâneos, faleceram no mesmo dia, 23 de Abril de 1616 que era também o dia em que Shakespeare fazia 52 anos.

William Shakespeare, 23 de Abril de 1564 - 23 de Abril de 1616

Miguel de Cervantes e Saavedra, 29 de Setembro de 1547 - 23 de Abril de 1616.

O machado não pára.

No passado mês de Maio, o San Francisco Chronicle, jornal do grupo Hearst, despediu 100 jornalistas. Perdas de um milhão de dólares por semana estão na origem de mais esta corroboração da agonia que a imprensa tradicional atravessa.

A novidade passa por o San Francisco Chronicle deter o site de informação sfgate.com, um dos dez mais visitados nos EUA e, ainda assim, estar a morrer. Isto, parecendo que não, é inédito e deita por terra muitas das esperanças que ainda existiam.

Além dos blogues e da Internet em geral, agora é o Google a estar na mira dos defensores acérrimos da imprensa tradicional. Segundo estes, o motor de busca deveria ser responsabilizado pela desgraça que paira sobre todos os jornais.

Mas isto são discussões de gente responsável, de jornalistas notáveis e honestos, muitos dos quais já no desemprego. A propósito, o desemprego é a única coisa que estes têm em comum com os colegas portugueses, o que faz desta sangria uma coisa mais adocicada por cá.

13 junho 2007

Ministério do bom gosto XVI.






Dutch Farmgirl – Judith van den Boom

Designer e artista holandesa, Judith está a revolucionar um bocadinho do mundo com a sua obra. Granadas, espingardas e uma malinha de primeiros socorros vivem muito para além da porcelana desta Farmgirl. Aqui há mais.

12 junho 2007

Bastava o Paulinho bater com o Civic Type R.

A encomenda do novo estudo e o aparente recuo do governo em relação à questão do novo aeroporto é uma manobra inteligente de Sócrates.

Serviu para acalmar a oposição, satisfazer Cavaco Silva e definir a Ota como solução indiscutível. Fazer o novo aeroporto em Alcochete não faz sentido absolutamente nenhum. Alcochete já perdeu, e vai continuar a perder, para a Ota em todas as frentes, nomeadamente nas acessibilidades, na proximidade com a nova linha de comboio de alta velocidade, na localização em cima do principal acesso nacional à segunda maior cidade portuguesa e na proximidade ao maior terminal logístico nacional, a construir em Castanheira do Ribatejo já a partir de Janeiro de 2008.

A juntar a tudo isto, a oposição acha normal o novo aeroporto ficar num local com uma barreira geográfica como o rio Tejo, à mercê da capital do pais ficar isolada de todo o tráfego aéreo, na eventual ocorrência de um simples acidente de viação.

11 junho 2007

The End.



Os Sopranos acabaram. E o final, diz quem viu, foi de suster a respiração, ainda que nada tenha ficado explicitamente definido. Não se sabe se a vida continuou como sempre, se Tony passou a ser informador do FBI ou se pura e simplesmente foi assassinado.

Estou de acordo com o New York Times, esta série foi um dos marcos mais importantes da cultura americana dos últimos 25 anos.

10 junho 2007

Ideias ao dinheiro I.

Cursos para massagens de bebés.

Mas quem é que precisa de pagar para fazer festinhas ao próprio filho?

A insegurança das pessoas urbanas/sofisticadas/neo-sensíveis/responsáveis por auto-imposição não pára de me surpreender. Os seus argumentos e as suas conversões vivem com os da Igreja Universal do Reino de Deus e seus frequentadores. As diferenças de conteúdo, profundidade ou estratégia são um pormenor.

08 junho 2007

Terroristas, virgens, bombas à parva, paraíso, assim também eu.




Estas são as passagens do Alcorão que convencem qualquer extremista árabe e que todos nós devíamos conhecer para uma mais fácil compreensão. São longas mas, por Alá, são boas!

"Os que obedecerem aos mandamentos terão um abrigo divino onde encontrarão a felicidade eterna. Depois da sua morte serão transportados para uns frescos bosquezinhos próximos dos mais risonhos prados; ali reclinados suavemente sobre leitos deliciosos beberão um licor que os consolará sem ficarem embriagados. As suas mulheres, cândidas como ovos frescos, apenas terão olhos para os seus maridos, conversarão com eles e um deles dirá: “Tinha na terra um amigo que me perguntava se eu acreditava na ressurreição e se depois de sermos barro, ossos e pó voltaríamos a viver. Vinde comigo, vamos ver o que se passa”. O bem-aventurado verá o seu amigo no fundo do inferno e dir-lhe-á: “Meu Deus! Como faltou pouco para que me seduzisses”. Todas as penas são expulsas da morada dos felizes e jamais se retirará a sua posse aos que a habitam. O coração encontrará ali tudo o que deseja e o olhar tudo o que o possa encantar; todos os desejos dos bem-aventurados serão realizados e será suprema a sua vontade e eternas as suas delícias. Enquanto descansarem sobre leitos tão suaves como o tálamo nupcial, estarão perto deles lindas jovens de peito alabastrino, formosos olhos negros e olhares delicados. Nenhum homem e nenhum génio profanou os seus costumes e o seu pudor; as pérolas não igualam em brancura o esplendor destas virgens encantadoras; o amor que provoquem senti-lo-ão elas mesmas e os dois amantes hão-de gozar de uma inalterável juventude. Junto deste encantador lugar abrem-se outros jardins coroados de uma verdura eterna e adornados por duas buliçosas fontes. Encontram-se ali reunidos os mais variados frutos e há mulheres de maravilhosa beleza em soberbos pavilhões. Cada boa acção será para os justos um grau de felicidade e beberão um vinho estranho, misturado com água do paraíso, que os querubins bebem junto de uma macieira sem espinhos e da árvore que produz os perfumes."

Alcorão, cap. Das Ordens, c.III, p. 69; c. XIV, p. 217; c. XVI, p. 5; c. XIX, p. 59; c. XXXV, p. 219; c. III, p. 54; c. IV, pp.82 88; c. V, p. 225; c. IX, p. 201; c. X, 217; s. II, c. XXV, pp 31, 36; c. II, III, IV, V, IX, pp. 19, 34, 38, 44, 55;
Cap. Da Montanha e dos que pesam com falsos pesos.


No Livro do Céu e do Inferno – J. L. Borges e Bioy Casares.

04 junho 2007

O iPod desvendado.



Um dos segredos para o sucesso do gadget é o tipo de manuseamento. Este faz-se com o indicador ou o anelar em movimentos leves e circulares com pequenos toques.

Isto é sexy. E é o mesmo tipo de raciocínio aplicável a quem desfruta de um corneto de morango. Mas a subtileza em relação ao exemplo mais calórico não o coloca em zonas tão acessíveis.

Ainda em relação à Venezuela.

Neste fim-de-semana o país esteve sem internet. Segundo fontes oficiais, esta avaria deveu-se a um problema nos servidores principais deste serviço. Coincidências.

01 junho 2007

Venezuela.

Deve ser acompanhada com muita atenção, porque não é todos os dias que se assiste em directo ao nascimento de um clássico da ditadura.

31 maio 2007

Meu Deus.



Juan Rulfo. Escritor genial, mexicano, cuja obra se resume a dois livros, Pedro Páramo e Planície em chamas.

É a prova de que não é preciso uma obra vasta para se ser consagrado ou precursor do que quer que seja. É, só assim, considerado um dos escritores mais importantes da história da literatura universal.

As duas obras-primas, e mais uma de contos soltos e editados postumamente, podem-se encontrar na Cavalo de Ferro.

Cliché cool I.

Tenho um iPod que utilizo com uns auscultadores melhores do que os que vinham de origem. Por uma razão simples: os branquinhos são de fraca qualidade (e poderia agora começar a explanar palha acerca das frequências e impedâncias).

Isto faz confusão a alguns amigos porque assim não se vê que é um iPod, podendo os transeuntes convencerem-se que o que me toca é um leitor de MP3 vulgar. Para os publicitários, designers e frequentadores do King isto é a grande dor de cabeça. A parvoíce e os phones de origem não lhes saem da cabeça.

30 maio 2007

Pronto, não se fala mais nisso.

Para quem vem da Praia da Rainha em Agosto, um ar condicionado é sempre bem-vindo.

Querida Vieira, a pão de forma é, de facto, muito bonita. O meu problema é com os clichés cool. E não há publicitário, surfista ou crise de meia-idade que não resvale para ela. Tirando isso, eu até gostava de andar numa.

28 maio 2007

Emoções fracas.























A fórmula 1 perdeu a graça e agora vamos ter de esperar algum tempo até a coisa voltar a ser emocionante. A saída do Schumacher deitou a coisa numa espécie de vazio. Ver um génio em trabalho é raro e ele foi o último e o maior que este desporto conheceu.

Para mim a emoção é, para alem de ver o Schumacher a pulverizar todos os records da fórmula 1, ver o Tiger Woods a cilindrar os adversários vezes seguidas e sem limites, assistir a coisas como o Ivan Lendl a fazer 4 ases seguidos muitas vezes. É guardar o Maradona, o Ronaldinho Gaúcho e o Michael Jordan a acabar com a concorrência típica do que não está cá nem lá. Coisas taco-a-taco são típicas da mediania, não da superioridade. Quero ver mãos como a do Maradona a marcar golos em mundiais, Ayrtons Sennas a pregar com a concorrência fora da pista, Schumachers a dizer que são muito melhores e Mourinhos a gritar que já ganharam. Quero a verdade desportiva e não o campeonato da 3ª divisão de Curling da Suécia só porque é emocionante até à última jornada.

25 maio 2007

Ministério do Bom Gosto XV.



North American Scum - LCD Soundsystem

Eu estou de acordo com o Ministro Mário Lino.

Mas foi preciso grande coragem ou estupidez para dizer o que disse.

23 maio 2007

Adoro o cheiro a Tarantino.